12 anos de agressões e traições

“A minha vida estava completamente destruída, pois era uma mulher frustrada, triste e nervosa, devido aos problemas que tinha no meu casamento. Era alvo de violência doméstica e sofria com as traições do meu marido.

Como consequência da minha complicada situação familiar, não tinha paciência para lidar com os meus filhos e pensei até várias vezes em tirar a minha própria vida. Foram 12 anos de sofrimento e não conseguia ver uma luz ao fundo do túnel!

Para além disso, tinha muitos problemas financeiros, porque o meu marido esteve várias vezes desempregado e era eu sozinha a trabalhar. Houve alturas em que não tinha dinheiro para comprar comida para dar aos meus filhos!

Quando o meu marido me batia, eu olhava para os meus filhos e recordava-me do meu passado, quando via o meu pai, que era alcoólatra, bater na minha mãe. Como cresci no meio da violência, não queria que os meus filhos passassem pelo mesmo. Por esse motivo, comecei a achar que o divórcio era a melhor solução, só que quando informei o meu marido da minha intenção, ele tornou-se ainda mais violento, fazendo-me lembrar das notícias que via na televisão, em que o marido matava a mulher, por não aceitar que ela o deixasse.”

Restauração. “Mesmo assim, fui em frente com a separação e foi exatamente nesse momento complicado da minha vida que conheci o Centro de Ajuda da Igreja Universal. Decidir tentar, pois, mesmo que me divorciasse, o meu marido dizia que se fosse obrigado a assinar os papéis que me mataria assim que saísse do tribunal. Mas eu preferia morrer do que viver naquela situação e foi pelos meus filhos que decidi ir ao CdA.

Quando lá entrei pela primeira vez, encontrei, finalmente, aquele Deus que, durante tantos anos da minha vida, busquei. Saí de lá diferente, mais forte interiormente, mais segura e dentro de mim tinha a certeza de que as coisas iriam mudar. Continuei a frequentar as reuniões do CdA e, um dia, percebi que o que eu queria realmente era a restauração do meu matrimónio e não a separação.

Deus foi-me mostrando que havia outra solução para mim e, então, comecei a lutar pelo meu casamento e Ele respondeu às minhas orações. O meu marido começou a ser um homem mais calmo, já não ficando nervoso por tudo e por nada. Também eu passei a ser uma mulher mais calma, pois se antes não tinha paciência, no CdA aprendi que a paz no meu lar não dependia somente do meu marido, mas principalmente de mim.

Hoje, o meu marido e os meus filhos frequentam o CdA comigo e tenho paz, pois posso ver os meus filhos crescerem sem ver os pais a brigarem. Deus também transformou o meu interior, tirando de dentro de mim as inseguranças e a timidez, tornando-me uma mulher forte, sem medo e que enfrenta tudo.

Na área financeira, eu que antes estava prestes a perder o carro, que tinha dificuldades em pagar a casa e que não tinha dinheiro nem para comer, passei de empregada doméstica a ter o meu próprio negócio. Agora, temos loja e carro da empresa, consigo pagar as minhas contas, ir de férias e dar o melhor aos meus filhos.”

Patrícia Silva, CdA Areosa

Fonte: Folha de Portugal