A coragem

Era uma pessoa muito triste e passava as noites inteiras a pé, sem conseguir dormir. E quando me deitava via vultos e sentia que um peso se colocava em cima de mim, fazendo-me sentir presa. Era algo diabólico! Para além disso, no meio de toda aquela angústia e sofrimento, também os meus pais eram pessoas muito doentes. Foi, então, que decidi recorrer a ajudas, tais como bruxos, para tentar encontrar uma solução para os nossos problemas. Na altura, houve uma senhora que se ofereceu para me ajudar, porque afirmava que conseguia vero sofrimento pelo qual eu estava a passar. Na minha boa fé, aceitei a ajuda, pois, achava que ela estava, realmente, a querer ajudar, e quando dei por mim estava a fazer nove benzeduras com sal, pedrinhas, etc… claro que sem ver resultados alguns! Mas sempre tive muita fé e, todos os dias, pedia a Deus para me mostrar o caminho certo. E, um dia, na rua, um evangelista da Igreja Universal ofereceu-me um jornal. No entanto, a minha revolta era tão grande que o rasguei e deitei fora, sem sequer o ler. Contudo, passado algum tempo, saí de casa e fui na direção da Igreja, sem sequer me dar conta! Então, comecei a ouvir uma música que, na hora, me tranquilizou a alma e deixei-me estar a ouvir. Sem ter coragem para entrar na Igreja, Deus fez com que alguém viesse à rua e me convidasse a entrar. E, quando entrei, foi maravilhoso! Nesse mesmo dia, sei que tive um encontro com Deus”.

“AS MUDANÇAS FORAM TOTAIS!”

“Aquele foi o momento que buscava há já imenso tempo nas minhas orações. A partir desse dia, passei a dormir bem e a ter uma vida mais tranquila! Sempre achara que era uma pessoa azarada e que nada me corria bem, mas aprendi no CdAE que, na verdade, sem Deus não podemos nada e com Ele podemos tudo! Foi, então, que comecei a conquistar e a enfrentar, com todas as forças, as batalhas! Já estou há sete anos na Igreja e tenho participado em todas as Fogueiras Santas de Israel. Mas a que mais me marcou foi a que fiz quando estava com três mensalidades da minha casa em atraso e com uma ameaça do tribunal. Nesse momento, pedi a Deus uma orientação, pois, se não pagasse o que devia, ficava sem casa! Foi assim que Deus falou comigo e me disse para colocar o meu tudo no Altar. E assim fiz, tendo sido abençoada! Sacrifiquei também pelo meu filho, que queria começar uma vida nova e não tinha condições para o fazer. E, apenas dois meses depois, o meu filho e a namorada conseguiram comprar uma casa linda e investir no recheio do interior da mesma. Hoje, também já não estou endividada e, graças a Deus, tenho todas as minhas contas em dia! Vale mesmo a pena sacrificar!”.

ROSA MARINHO – LOULÉ