“A minha vida estava completamente destruída!”

CasosReais-Sonia-FunchalSónia tinha uma depressão há cerca de quatro anos, quando começou a frequentar o Centro de Ajuda (CdA)

Já tinha ido a médicos, psicólogos e até a um psiquiatra que a aconselhavam a tomar antidepressivos, mas nada resultava e a sua vida estava cada vez pior.

“Era uma pessoa revoltada, não conseguia lidar com as pessoas no meu trabalho e até um bom dia, ou boa tarde me custava dizer. A minha vida financeira estava miserável também. Tinha muitas dívidas e tanto o meu ordenado como o do meu marido foram penhorados. Ia para o trabalho mais revoltada ainda, porque um terço do meu ordenado era para pagar essas dívidas.

A uma determinada altura, o desespero era tanto que tentei o suicídio. Pensei que já não havia solução possível para os meus problemas e quis acabar com a vida. Contudo, não fui bem sucedida.

Continuava a tomar antidepressivos e colocava baixas no trabalho sucessivamente, o que fazia com que o meu ordenado diminuísse ainda mais. O ambiente em casa também não era nada bom, pois discutia com os meus filhos e com o meu marido por tudo e por nada”, explica Sónia.

A libertação interior

Sónia tentava disfarçar com sorrisos forçados e com aparências, para esconder o que realmente se passava no seu interior.

“Até que um dia, uma amiga aconselhou-me a ir ao Centro de Ajuda. Pensei que se já tinha tentado de tudo para conseguir sair daquela situação e nada tinha resultado, não custava tentar mais uma porta.

Assim que entrei no CdA senti, de imediato, uma paz de espírito que nunca tinha sentido antes e tive a certeza de que a minha cura estava ali.

Comecei a frequentar as reuniões de libertação e a colocar em prática as orientações que me eram dadas. Apenas duas semanas depois já não tomava qualquer antidepressivo e dormia cerca de seis horas por noite. Degrau a degrau a minha vida foi mudando completamente.

Até no meu local de trabalho as pessoas diziam que eu estava diferente, mais feliz e bem-disposta!”, garante.

Dívidas saldadas

Também os problemas financeiros foram resolvidos através das orientações e da aprendizagem no Centro de Ajuda.

“Eu e o meu marido, falámos com o pastor e expusemos os nossos problemas. Ele orientou–nos e explicou o que devíamos fazer para conseguir superar as dificuldades financeiras e saldar as nossas dívidas. Hoje não temos mais penhoras, o que contribuiu para a minha felicidade e para o bem-estar do meu lar.

Atualmente, a minha vida e a minha família estão em paz e devo tudo a Deus e ao Centro de Ajuda pois foi ali que encontrei a orientação necessária e que aprendi a usar a Fé”, admite Sónia.

Sónia, CdA Funchal (Rua Dr. Brito Câmara, 32)