António Duarte

CasosReais_AntonioDuarteFoi assim que António Marques, chegou a Portugal, à procura de uma mudança na sua vida e com a promessa de uma ótima proposta de trabalho, que na verdade não se cumpriu.

As suas oportunidades passaram a estar limitadas, pois além de uma proposta falsa de trabalho, António estava ilegal, o que limitava a procura de trabalho. Os seus problemas exteriores eram o reflexo do seu interior.

“A minha vida era uma destruição total, não tinha paz.

Diante das pessoas demonstrava ser feliz, mas não passava de uma ilusão”, afirma António.

Mas mesmo perante as dificuldades, conseguiu adaptar-se à cultura portuguesa, obteve os documentos, deixando de estar ilegal e conseguiu um emprego, numa grande empresa multinacional, com um bom salário.

Contudo, nada disso lhe trouxe a paz interior. “Trazia dentro de mim um vazio que nada, nem ninguém conseguia tirar”, sublinha.

António passou a fazer coisas que não esperava de si mesmo, pois o seu caráter, segundo o mesmo, estava irreconhecível.

“Comecei a fazer coisas que não eram do meu caráter, para preencher o meu vazio. As saídas à noite, devido às quais passava semanas sem dormir, levaram-me também ao vício do álcool e à prostituição, chegando a sair com três mulheres simultaneamente, mesmo estando a namorar a sério com uma rapariga respeitável”, conta António.

A escolha certa

“O desafio foi feito para participar de uma palestra que iria mudar a minha vida”, salienta.

António decidiu aceitar o convite e participou de uma das reuniões práticas do Centro de Ajuda, pela primeira vez, em Castelo Branco. No primeiro dia que esteve presente as mudanças foram notórias, o que o fez voltar e decidir abraçar a Fé-Inteligente.

“Passados três meses, tudo mudou. Participando das reuniões eficazes e inteligentes, todo o peso e vazio que trazia em mim, foi retirado, batizei-me nas águas e pouco tempo depois tive o verdadeiro encontro com Deus, o qual me preencheu completamente. Eu calculei bem a Torre que estava a construir”.

António Duarte, CdA de Castelo Branco
(Rua Frei Roque Espírito Santo, nº3 r/c)