“Contraí SIDA e mais de 20 tipos de tumores”

A vida para João Batista revelou-se difícil desde pequeno. Nascido numa família humilde, ainda em criança teve que ir para um internato, pois os seus pais não tinham condições para criar a ele e aos seus nove irmãos.

Aos dezasseis anos teve que ir morar na rua, ele não queria ir para a marginalidade, porém, não conseguiu resistir às drogas.

Cola, cannabis, cocaína, crack, João usava de tudo, mas nada disso era suficiente. Contudo, a sua vontade de ter uma vida diferente era maior e ele começou a trabalhar e foi ganhando oportunidades.
Saiu da rua e conseguiu ter uma vida melhor. Após um tempo, João começou a emagrecer muito, e viu-se muito debilitado.

Após vários exames, foi constatado que estava com pneumonia, mas, após alguns dias internado, e sem reagir à medicação, os médicos realizaram novos exames e detetaram várias doenças no seu corpo. Ele tinha hepatite B e C, os rins estavam a funcionar com dificuldades e o seu sangue estava alterado. Até que, por fim, os especialistas descobriram que ele tinha Sida.

SIDA E TUMORES.

Como se já não bastasse todas as doenças, ele adquiriu tuberculose ganglionar e não demorou muito até que os médicos encontrassem tumores malignos nos gânglios. Não havia medicamento que o fizesse melhorar, nada fazia efeito. “O médico mandou-me para casa, afirmando que não tinha mais jeito para mim”, diz.

João ficou atordoado e sem nenhum amparo, entrou em desespero. “Pensei em tirar a minha vida, fui à estação de comboio para me atirar para debaixo do comboio, mas não tive coragem. Depois, tentei a todo o custo arranjar uma overdose de cocaína e crack”, conta. Ele perdeu tudo o que tinha conquistado, por isso, resolveu lançar-se nas drogas. Voltou a morar na rua e consumia drogas para tentar esquecer os problemas e amenizar as dores. Para sustentar o vício, João começou a traficar droga, mas não demorou muito até ser preso.

No presídio, ele conheceu o trabalho da Universal, estava sempre presente nas reuniões e passou a acreditar que para ele existia uma nova chance. No entanto, quando saiu da prisão, ele continuou a ter uma vida sem compromissos, até que, um dia, cansado de se ver debilitado, ele passou em frente a uma Universal e resolveu participar das reuniões de cura.

ÚLTIMA CHANCE.

Os tumores já se tinham tornado feridas por todo o corpo e ele sabia que aquela era a sua última saída, pois estava quase morto. Dedicou-se à corrente da cura e, com o passar do tempo, ele perseverou e através da fé, os tumores secaram. Algum tempo depois, ele começou a ganhar peso, e o João, que chegou à Universal a pesar menos de 50 kg, após alguns meses já estava com 70 kg. Realizou novos exames e o vírus do HIV não existia mais no seu corpo.

João estava curado dos tumores malignos e da Sida. Hoje, ele constituiu uma família, tem uma vida digna e com saúde. Não ficou com nenhuma sequela dos tumores, nem do vírus do HIV.

João Batista
Universal, Brasil

Fonte: Folha de Portugal