Entrei no mundo das drogas, do tráfico e da prostituição

ErineideErineide viu o seu mundo desabar quando o marido se suicidou, refugiando-se nas drogas e no álcool para tentar preencher o vazio sentido

“O meu marido suicidou-se e fui eu que encontrei o corpo dele enforcado, o que me marcou muito. Depois de ele ter falecido, fiquei muito depressiva e entrei no mundo das drogas, do tráfico e da prostituição. Durante três anos, consumi heroína, pedra, crack, cocaína e cannabis, para além de fumar cigarros e de ingerir bebidas alcoólicas.

Na altura, trabalhava em boates e nas ruas para conseguir sustentar o vício, tentando preencher o vazio e a tristeza que sentia. Durante três anos, fiquei isolada numa casa, pois não queria saber de nada, nem de ninguém! Era infeliz em todas as áreas da minha vida e sentia-me completamente frustrada.”

Entrega. “Em dado momento, comecei a namorar com o meu atual marido e fui morar com ele. Um certo dia, recebemos a visita de um pastor e um obreiro lá em casa, que foram falar com a minha cunhada. Nessa altura, recebemos uma oração e senti-me muito bem, tendo dito ao meu marido que queria ir ao Centro de Ajuda da Igreja Universal.

Comecei a fazer as correntes de oração na Igreja para me libertar e posso dizer que não foi fácil, mas perseverei e agi de acordo com as orientações dos homens de Deus. Demorou dois anos, mas Deus foi trabalhando o meu interior e, em 2016, quando chegou o ‘Jejum de Daniel’, entreguei-me 100% a Deus no Seu Altar. Daí em diante, Deus fez de mim uma nova criatura! Fui batizada com o Espírito Santo e tudo passou a ser diferente.

Hoje, não dependo de pessoas, nem de circunstâncias para me sentir bem e acreditar em mim mesma, pois sei que sou capaz. Agora, tenho paz, durmo bem, fui curada da depressão e deixei de tomar calmantes. Sou feliz e realizada!”

Erineide Nascimento  – CdA de Ribeira Brava

Fonte: Folha de Portugal