Sacrifício e frutos

“Antes de conhecer o Centro de Ajuda, parecia que tinha duas personalidades, pois, interior- mente, sentia muita angústia, triste- za e sofrimento. Perdi a minha mãe muito nova e o meu pai era muito agressivo. Vim da província com apenas 13 anos, porque queria a minha independência, para morar em casa de uns tios, mas continuei a sofrer muito porque a minha tia ainda era pior do que o meu pai.

Então, aos 17 anos comecei a namorar e casei aos 22. Tive a minha filha e aí nasceu o desejo de ter um negócio próprio. Então, houve uma senhora que me emprestou 100 contos, isto há 40 anos, para eu montar o meu cabeleireiro. Durante muitos anos, o negócio e a vida correram bem, até que o meu marido foi despedido do emprego e decidiu fazer uma sociedade com um amigo, que não deu resultado. Para além disso, eu sofria com muitos problemas espirituais e dores de cabeça. Até que, um dia, liguei a televisão e estava a dar um programa da Igreja Universal. Durante seis meses, assisti ao programa da manhã e participei nas orações do copo com água. Fui sentindo melhoras e, um dia, disse ao meu marido que queria vir à Igreja.

A Fogueira Santa surgiu na minha vida por causa do meu neto que sofria com problemas espirituais. A minha filha já tinha corrido médicos, psicólogos… e ninguém conseguia ajudá-lo. Diziam que ele era hiperativo, mas, de noite, ele virava tudo em casa e ninguém o conse- guia segurar, isto com apenas seis anos. Fiz o meu sacrifício e o meu neto ficou curado! Mas fui sempre recebendo bênçãos depois de participar nas Fogueiras Santas: consegui trazer o meu marido para o CdA; fui curada dos problemas espirituais que tinha e das úlceras varicosa nas pernas; a minha filha que estava à beira do desemprego foi convidada para ir trabalhar numa companhia de seguros; consegui vender a minha moradia e comprar uma casa perto do CdA; e ainda abrir um cabeleireiro perto de casa”.

LUÍSA HELENA – Lisboa