Raphael Freitas

14-2Muitas pessoas vêm de lares desfeitos, onde imperam os conflitos e as discussões que levam até a agressões físicas e verbais.

Por crescerem rodeados por isso, julgam que esse é o ambiente normal de um lar e nunca conseguem alcançar a união familiar.

Além disso, esse acaba por ser o mote para se afastarem cada vez mais de casa, envolvendo-se, muitas vezes, com más companhias e entregando-se aos vícios ou à depressão, pois vivem numa situação de tristeza profunda.

Esse era o caso de Raphael, que cresceu num lar destruído. “Nasci e cresci num lar onde havia muitos conflitos. Havia problemas familiares, muitas discussões entre a minha mãe e os meus irmãos, o que causava uma divisão em casa, não havendo união”, começa por contar.

Além disso, os problemas de saúde também estiveram presentes durante grande parte da sua vida. “Estava desenganado pela medicina… Tinha bronquite asmática e tinha que ir uma vez por mês ao médico para fazer tratamentos com oxigénio. Tinha ataques de desmaio e ficava horas inconsciente”, diz.

Problemas espirituais

Como se os problemas familiares e de saúde não fossem suficientes, Raphael apresentava vários sintomas de quem sofre de problemas espirituais.

“Tinha vários medos: do escuro, de morrer, de estar sozinho… Além disso, tinha complexos e sentia-me inferior às outras pessoas. Era muito bruto e muito agressivo. Guardava muitas iras dentro de mim e sentia raiva muitas vezes, inclusivamente da minha mãe e dos meus irmãos.

Não falava com ninguém da minha família e deixava tudo dentro de mim”, conta Raphael.

Depois vieram as más companhias, as noitadas e um sentimento de vazio e de tristeza…

“Aos 15 anos envolvi-me com más companhias e foi nessa altura que comecei a ir a festas, fazia noitadas com os amigos e julgava que estava tudo bem. Mas, quando estava sozinho sentia-me triste, vazio…

Comecei a ter insónias, dormia mal e durante as poucas horas que conseguia dormir, tinha pesadelos. Já não acreditava em mais nada e perdi, inclusivamente, a crença em Deus”, admite.

Alcançar a paz

“Devido a uma desilusão amorosa caí numa tristeza profunda… Não comia, não dormia, até que decidi acompanhar a minha mãe ao Centro de Ajuda.
Comecei a participar nas palestras e a fazer uso do que nos era transmitido e aprendido.

Nessa altura, comecei a ver resultados positivos em mim! Já não me sentia triste, deixei de ter insónias e conseguia dormir bem, sem pesadelos. Além disso, fui curado de todas as doenças. Hoje tenho paz, sou uma pessoa feliz e sinto-me realizado! Eu calculei bem a Torre que estava a construir”.

Raphael Freitas, CdA da Figueira da Foz (Rua Vasco da Gama, nº 47 r/c)