Uma mudança

O meu marido era um homem muito mau, violento, que batia muito no meu filho e em mim. Inclusive, partia tudo dentro de casa! Era viciado no álcool e fumava muito. Enfim, era uma pessoa só de discussões e contendas dentro de casa. Mas, no início do nosso casamento, durante dois anos e sete meses, vivemos bem! Só que, depois, quando engravidei, começaram as tareias e discussões. Ele começou a ter o vício do álcool e a envolver-se com outras mulheres, que se diziam minhas ‘amigas’. Então, começámos a discutir todos os dias, a toda a hora, e as agressões também eram diárias.

Eu era uma pessoa muito fechada, nervosa e que só queria estar dentro de casa. Tinha muito medo dele e, quando se aproximava a hora de ele vir do trabalho, já começava a ficar nervosa, pois não sabia se vinha bêbado ou não. Inclusive, nada do que eu fazia para o agradar resultava! Tentei procurar uma solução em diversos lugares de bruxaria e, no início, até parecia que havia uma melhora, mas, com o tempo, as coisas iam piorando cada vez mais. Inclusive, ele chegou a fazer vários tratamentos – banhos com bagas do cemitério colhidas à meia-noite e, depois, embrulhar-se num lençol branco; comer canja de galinha preta, mas não podia comer a carne; colocar umas fitas vermelhas numa garrafa de aguardente ou de whisky e enterrar juntamente com charutos, num lugar onde não passasse mais – para uma mudança na nossa vida, mas tal não aconteceu!

Chegámos ao Centro de Ajuda através de um colega dele, que nos falou da Igreja Universal. Ele decidiu ir, mas eu não concordei, porque já estava farta de bater em tantas portas, fazer de tudo, gastar tanto dinheiro e não ver resultados. Não acreditava em mais nada! Contudo, desde o primeiro dia em que ele começou a frequentar a Igreja que eu notei uma mudança, pois, começou a falar mais calmamente comigo e com o nosso filho. Hoje, há paz no meu lar! O marido é o mesmo, mas o homem mudou. O seu interior mudou completamente e não tem nem comparação com o passado”. ELSA

Ódio à família
“Quando estava fora de casa, sentia-me bem! Contudo, quando saía do trabalho para casa, dizia para mim mesmo que ia entrar no inferno, porque odiava a minha esposa e o meu filho. Inclusive, cheguei a dizer que os matava e me suicidava de seguida. A vida para mim não tinha mais sentido! No fundo, eles sofriam, mas eu também sofria, pois, não sabia como ser feliz. Então, enveredei pelo caminho da bruxaria e, quando um dia entrei no hospital bastante mal e depois cheguei a casa, ouvi a minha cunhada a dizer para a minha esposa que se ela não ficou viúva dessa vez, não ficava mais. Pensei que tinham feito alguma coisa para destruir o meu casamento e matarem-me.

Tentei procurar uma mudança, mas nada mudou! A minha vida a cada dia que passava estava mais no fundo do poço e eu odiava ainda mais a minha esposa e o meu filho. Quando cheguei à Igreja Universal, não foi fácil a minha libertação! Mas, aos poucos, o meu caráter foi mudando. Contudo, nunca disse à minha esposa para vir para o Centro de Ajuda. E, quando chegou a Fogueira Santa de Israel, ainda tinha vários problemas, mas entendi que o maior era a vida sentimental. Sacrifiquei no Altar o meu salário e o resultado foi a minha realização sentimental. Hoje, sou feliz com a minha esposa! E a minha vida financeira também está abençoada, graças a Deus! O sacrifício quebrou a maldição que havia no meu casamento”.

EUSÉBIO – FUNCHAL