Mais de um terço dos sem-abrigo estão na capital

image15A região de Lisboa e Vale do Tejo tinha, em 2011, mais de um terço dos sem-abrigo residentes em Portugal

A região de Lisboa e Vale do Tejo, onde vivem 3,6 milhões de pessoas, tinha em 2011 mais de um terço dos sem-abrigo residentes em Portugal, segundo um documento da Administração Regional de Saúde. O Perfil de Saúde e Seus Determinantes da Região de Lisboa e Vale do Tejo 2015, tem dados de 2011 e 2012.
O documento indica que, em 2011, foram contabilizados 261 sem-abrigo, o que representa 37,5% da população residente sem-abrigo de Portugal e 39,4% da do continente.

Norte do País

Já na cidade do Porto, há pelo menos 100 crianças entre os 1.500 sem-abrigo referenciados, de acordo com dados recolhidos pelo movimento Uma Vida como a Arte e citados pelo site P24.
Entre os 1.500 sem-abrigo há estrangeiros que perderam o trabalho e não têm como regressar ao país de origem, idosos cujas reformas deixaram de cobrir as despesas básicas e cidadãos que há poucos anos integravam a classe média e a quem o desemprego atirou para a rua. E há ainda os menores, crianças e jovens até aos 18 anos, que são obrigados a viver ao relento.

Nas asas da solidariedade

Foi a pensar nesta problemática, que o Centro de Ajuda da Igreja Universal em Portugal, implantou no país um trabalho de amparo e solidariedade aos sem-abrigo, por meio dos voluntários do grupo “Anjos da Noite”. Todas as terças-feiras à noite, os voluntários deslocam-se aos locais onde, frequentemente, estão os sem-abrigo, levando-lhes comida, roupa, calçado, cuidados de saúde, e uma mensagem de Fé.

No dia 8 de setembro, na estação Sta Apolónia, em Lisboa, os cerca de 50 voluntários das regiões de Pontinha e Póvoa de Stº Adrião, atenderam cerca de 100 pessoas, que foram beneficiadas com sopa, sandes e atendimento espiritual.
Importa referir que, com o decorrer do tempo, o trabalho deste grupo do Centro de Ajuda tem tido cada vez mais aceitação, o que permite aos voluntários ajudarem cada vez mais pessoas.

Deixe o seu comentário

Ou preencha o formulário abaixo.


O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *