Mensagem

A polêmica do copo da Starbucks

img_starbucks-706x410Alguns cristãos norte-americanos estão indignados com a rede de cafeterias Starbucks por causa do copo de natal.

Segundo eles, o copo todo vermelho, sem nenhum dos símbolos natalinos tradicionais, seria uma atitude “anticristã” da rede, que tem filiais no mundo inteiro. A tempestade nesse copo de café já conta até com o apoio de cristãos de outros países e adesão de gente famosa, como o empresário e apresentador Donald Trump, que defendeu o boicote à marca. Como se pinheiros, velas, bolas coloridas e papai noel fossem, de fato, símbolos cristãos.

Se o problema dessas pessoas com a Starbucks é o copo não trazer símbolos cristãos no natal, é irônico não se importarem com o logotipo da empresa, que representa uma entidade nada cristã. É uma sereia conhecida como Melusina, um “espírito das águas”. Na cultura africana, a mesma figura aparece em representações de Yemojá (Iemanjá, no Brasil), quando retratada com duas caudas.

Com o passar dos anos, a empresa a modificou para ficar mais apresentável. No início, era bem esculhambada, com os seios à mostra e uma pose pornográfica, com as caudas abertas; cópia de uma ilustração alemã de um livro impresso em 1480. Com o passar dos anos, fez algumas lipos, plásticas, jogou o cabelo sobre os seios…um legítimo makeover, que a transformou em algo mais simpatiquinho e politicamente correto. Mas, se reparar nas laterais…as caudas continuam lá. E a coroa de “rainha do mar”, na cabeça. Mas, afinal, por que uma sereia como símbolo de uma loja de café?

Essa dúvida é tão comum que o site da empresa tem até uma resposta pronta. A inspiração do nome e do logotipo teria vindo da vontade de seus donos de “homenagear a tradição marítima do café”. O nome da cafeteria foi tirado de um personagem do livro Moby Dick, o senhor Starbuck, primeiro-piloto do navio Pequod. Então, eles criaram uma cafeteria com o nome de um personagem masculino e tascaram uma sereia como logotipo…faz sentido? Nenhum! Não há sequer uma personagem-sereia no livro.starbucks-logo-history

starbucks-logo-historyEm uma entrevista, o designer responsável pelo logotipo disse: “É uma metáfora para a sedução da cafeína, as sereias que atraíam marinheiros para as rochas”. Estranha metáfora, já que, nos mitos, as sereias atraíam marinheiros para espatifá-los contra as rochas…seria um aviso para que os clientes se mantivessem longe da cafeína antes que ela os matasse? O site dele ainda tenta florear: “Terry Heckler encontrou a metáfora perfeita do ‘canto da sereia’ do café que nos seduz para o copo”. Não faz muito sentido querer vender café usando essa comparação. Se o canto da sereia servia para tirar o autocontrole dos marujos, usá-lo como metáfora para o produto é quase um antimarketing. Mas, então, qual é a dessa sereia?

Não se pode afirmar que os criadores do logotipo sabiam que estavam reverenciando uma entidade, mas em todas as culturas, desde épocas remotas, seres metade gente, metade peixe (ou, em alguns casos, serpente) são a representação de uma mesma divindade, com nomes e gêneros diferentes: entre os cananitas e filisteus, Atargatis, Derketo e Dagom (o mesmo da imagem que Deus fez cair e se espatifar diante da Arca da Aliança, quando raptada pelos filisteus); Oannes, na Babilônia; Matsyāṅganā, na Índia; Mixoparthenos, na Grécia; Kianda, na Angola; Melusina e Lorelei, na Europa; Ningyo, no Japão; Yemojá, na África; Iemanjá, no Brasil, entre outros nomes nesses e em outros lugares.

As divindades femininas dessa lista também eram chamadas de “Rainha do mar” ou “Mãe d’água”, adoradas como deusas da fertilidade. Por aqui, a representação oficial desse espírito ganhou um vestidinho, para sincretizar melhor com as imagens católicas e esconder dos senhores de escravos o culto a essa entidade, mas as representações em que sua cauda aparece são bem comuns.

As lendas e as aparências se modificaram com o tempo, cada cultura desenvolvendo sua tradição, mas o espírito representado permanece. O mesmo espírito de Atargatis, Melusina, Dagom e Iemanjá é reverenciado na imagem da sereia.

O mais incoerente dessa história é que nenhum daqueles cristãos indignados questionou (ou pelo menos estranhou) a presença de uma deusa pagã dando tchauzinho com as duas caudas, bem diante de seus narizes, em seus tão amados copos de café. Pelo contrário, se unem para reclamar de não haver itens pagãos o suficiente neles!

Infelizmente, o “canto da sereia” de nosso tempo, o espírito que envolve esse mundo, tem cegado muitos cristãos a ponto de eles nem conseguirem mais enxergar o que Deus considera importante. É muito mais fácil se apegar a tradições e confundi-las com cristianismo, pois isso não exige nenhum sacrifício, não há preço a se pagar. Por outro lado, também não traz benefício algum para ninguém.

Para quem olha de fora, o movimento pseudocristão contra os copos vermelhos parece fanatismo religioso, sem sentido ou propósito, o que só vacina contra o verdadeiro cristianismo. Garanto que Jesus jamais perderia Seu tempo brigando para colocar o bom velhinho ao lado de Iemanjá no copo da Starbucks.

Bispo Edir Macedo

Deixe o seu comentário

Ou preencha o formulário abaixo.

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *