Mensagem

Juízo precipitado

juizo

 

Certo dia, uma senhora estava passando pela rua e viu, através da janela da casa do pastor de sua igreja, uma cena terrível, segundo ela.

Imagine: o pastor dela estava correndo atrás da esposa com uma vassoura levantada. Aquela senhora escutava o grito da esposa correndo e via o marido correndo atrás.

Não teve dúvida: o pastor estava espancando a mulher dele. A senhora espalhou essa notícia pela cidade. Foi contando a cada pessoa conhecida que encontrava, e, não satisfeita, começou a contar também às pessoas estranhas.

Em pouco tempo toda a cidade sabia da atitude inconveniente do pastor da igreja.

A liderança da igreja, diante do fato, reuniu-se e tomou a decisão cabível no caso. Desligou o pastor do ministério e comunicou a decisão a ele. Este, muito sabiamente, aceitou a decisão sem argumentar nada a seu favor. Apenas fez um pedido: que no domingo seguinte fizesse um culto de despedida, convidando a todos que pudessem comparecer para a sua despedida.

No dia aprazado, depois de uma curta, mas edificante mensagem evangélica, convidou a esposa para que fosse até o púlpito e explicasse ao público por que ele estava sendo despedido.

Disse ela em alto e bom som:

– Meu marido está sendo desligado da igreja por um Juízo Precipitado! Estou sabendo que a decisão do desligamento dele é motivada por espancamento à minha pessoa. Eu nunca reclamei a ninguém sobre isso, e nem poderia, porque o que realmente aconteceu foi que num determinado dia, quando eu fazia a faxina em casa, apareceu um ratinho que começou a correr pelo cômodo. Eu, como tenho medo de rato, comecei a gritar e correr. Meu marido vendo isso, apanhou uma vassoura e começou a correr atrás do rato para matá-lo.

Se esse fato é motivo para o desligamento dele da igreja, iremos embora para outra cidade, se não, gostaria que a pessoa que espalhou a falsa notícia sobre meu espancamento viesse até aqui, pois estamos (eu e meu marido) prontos a perdoar essa pessoa pelo engano cometido.

Todos os presentes sabiam quem havia espalhado aquela notícia, por isso a senhora não teve outro jeito senão ir até lá e pedir perdão. Diante disso, o pastor disse a ela:

– Eu a perdôo, mas a irmã terá que cumprir um pedido que vou fazer, tudo bem? – Ela respondeu afirmativamente.

Diante da resposta, o pastor deu-lhe a seguinte incumbência:

– Você apanhe um travesseiro de penas, vá até o alto do morro num dia de vento forte e solte todas as penas no ar.

“Isso é fácil!”, deve ter pensado a senhora. Mas o pastor continuou:

– No dia seguinte, volte e recolha todas as penas e recomponha o travesseiro para ficar do jeito que era antes.

– Ah, pastor, isso é impossível! Depois que o vento espalhar as penas eu não conseguirei mais ajuntá-las. – Ela respondeu.

– Pois foi exatamente isso o que você fez com minha vida! Depois que você espalhou aquela falsa notícia, eu nunca mais terei o mesmo conceito com as pessoas desta cidade. Mudaremos para outra cidade, mas deixamos aqui esta lição de vida a todos os presentes:

Nunca julgue ninguém precipitadamente e não espalhe o que não se pode recuperar.
RenatoCardoso1

bispo macedo

Bispo Edir Macedo
bispomacedo.com.br

Deixe o seu comentário

Ou preencha o formulário abaixo.

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *