Mensagem

Os cegos e os de visão

Cegos! Pois qual é maior a oferta ou o Altar que santifica a oferta? Mateus 23.19

cegos2
Quando uma pessoa vê a oferta superior ao Altar, além de estar desprezando a Deus, O considera menor que o que ela tem para oferecer, e por isso não chega ao Altar.

É como pensar que a vida que tem é maior que Deus.

Em outras palavras, ela diz: Deus é pequeno, e eu e o que tenho somos grandes.

Esse desprezo pelo Altar a faz estar em ruínas, e em ruínas fica a sua vida no todo. Por isso Jesus a chama de cega!

Porém, quando a pessoa considera o Altar superior à oferta, ela está considerando Deus superior a ela e a tudo o que tem, e isso a faz restaurar o seu Altar. E, nesse Altar, ela sacrifica, e aí vêm as respostas e começa uma nova vida.

Quando houve o dilúvio, todos os seres humanos existentes morreram; só ficaram oito pessoas. E a primeira coisa que Noé fez antes de plantar e começar a multiplicação de seres humanos, assim como de animais, foi levantar um Altar, e nele sacrificou a vida de animais e aves em holocaustos a Deus.

Noé entendeu que não podia dar início a nada sem antes levantar o Altar, porque ele queria começar tudo com Deus. Ele sabia que se começasse sem Deus tudo daria errado. E não é o que tem acontecido com tantas pessoas? Muitos começaram algo e perderam, pois começaram sem Deus, ou seja, não começaram no Altar.

O Espírito Santo tem aberto os olhos dos cegos espiritualmente para que eles possam ver que o Altar, que simboliza Deus, santifica a oferta.

O interessante é que depois que Noé restaurou o Altar e manifestou a sua fé através do sacrifício, Deus entregou tudo em suas mãos:

Abençoou Deus a Noé e a seus filhos e lhes disse: Sede fecundos, multiplicai-vos e enchei a terra. Pavor e medo de vós virão sobre todos os animais da terra e sobre todas as aves dos céus; tudo o que se move sobre a terra e todos os peixes do mar nas vossas mãos serão entregues. Gênesis 9.1,2

Deus os abençoe muito mais!

Colaborou: Bispo Romualdo Panceiro

Bispo Edir Macedo

bispomacedo.pt

Tags:

Deixe o seu comentário

Ou preencha o formulário abaixo.

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *