Mensagem

Parecia impossível eu mudar…

Antes_Leticia1

Meu nome é Letícia Del Rio, tenho 26 anos. Venho de uma família evangélica e fui criada dentro de uma igreja. Sempre tive muita vontade de conhecer a Deus, mas nunca O tinha conhecido de fato.

Quando era criança via vultos, me sentia mal, tinha muito medo. Desde pequena perguntava à minha mãe por que não tinha nascido menino.

Aos 14 anos, fui batizada na denominação onde frequentava. Todos me achavam um exemplo, pois era uma menina quieta, tranquila e queria mesmo conhecer a Deus, mas não tinha direção nenhuma – dentro de mim existia um vazio imenso.

Contudo, me deixei ser levada por novas amizades e, em pouco tempo, me tornei uma jovem rebelde, passando a beber e a fumar também. Comecei a namorar um rapaz muito ciumento, que chegou a me agredir fisicamente. Esse foi o ponto final para mim, foi o que faltava para que uma semente lá de trás florescesse: passei a frequentar baladas alternativas, onde me envolvia com mulheres e me aprofundava ainda mais em bebidas e drogas.

A minha vida passou a ser uma loucura, fazia o que “dava na telha”, sem medir as consequências, sem pensar em nada e em ninguém. Engatava um namoro atrás do outro, ficava com muitas meninas e, às vezes, até mesmo com meninos “drag queens”. Achava que estava arrebentando, mas a minha vida era que estava sendo arrebentada. Trabalhava muito, mas tudo que ganhava gastava em baladas, mulheres, bebidas e drogas.

Achei que mudando de cidade conseguiria transformar minha vida, então eu e uma amiga fomos para Florianópolis (SC) a fim de recomeçar. A cidade mudou, o estado mudou, mas os problemas ainda eram os mesmos.
Mais droga, mais bebida, muita mentira, mais loucura.

Depois_Leticia

Voltei para Sorocaba, em São Paulo, e tive dois inícios de overdose. Era alcoólatra e bebia praticamente todos os dias, já não tinha mais controle. Parei de usar cocaína com medo de morrer, mas passei a fumar maconha para dormir, porque só assim não tinha pesadelos horríveis. No entanto, eu não era dependente somente do álcool ou das drogas, mas também das pessoas.

Enfim, o meu fundo de poço veio quando me envolvi com sadomasoquismo.

Fui morar com uma garota e vivemos um inferno. Um dia, ela mesma me disse que estava tudo errado. De início eu relutei, dizia que parava com tudo, com qualquer coisa, mas que eu nunca iria deixar de gostar de mulheres, porque achava que tinha nascido assim.

Participei de várias paradas gays, defendia com unhas e dentes a homossexualidade, cheguei até a ir a um protesto em Brasília, para reivindicar direitos. Mas finalmente cedi.

Foi assim, nessa situação, que em um domingo, às 7h da manhã, do mês de fevereiro de 2012, eu cheguei à Universal. Nem eu mesma acreditava em mim. Falei com o pastor, chorei, e ele disse que a partir daquele dia compraria a minha briga, então decidi me entregar com todas as forças a Deus. Era tudo o que sempre quis: uma nova chance.

Aquilo que eu achava impossível, Deus fez possível. Passei por um processo de libertação, e os obreiros e pastores cuidaram de mim até que eu tivesse o meu encontro com Deus.

Além de ser ajudada e muito bem recebida, foi no Força Jovem Universal que vi a possibilidade de transmitir o que Deus fez na minha vida e poder ajudar outros jovens que se acham perdidos e desacreditados de si.

Sou feliz, nasci de novo e sou uma mulher de Deus, pois alguém acreditou em mim.

MarcelloBrayner1

bispo macedo
Bispo Edir Macedo
bispomacedo.com.br

Deixe o seu comentário

Ou preencha o formulário abaixo.

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *