Mensagem

Com uma se constrói e com outra se destrói

Extremamente valorizada por muitos e menosprezada por outros, a PALAVRA sempre teve um papel inconstante, mas nunca irrelevante woman

Costuma-se dizer que “quem FALA o que quer, OUVE o que não quer…” e só por este pequeno ditado popular podemos ver que a palavra, independentemente da intenção com que foi dita, tem sempre repercussões. Na verdade, a palavra é tão importante, que ela chega a ditar a qualidade da nossa fé e crença: “Se alguém supõe ser religioso, deixando de refrear a língua, antes enganando o próprio coração, a sua religião (crença) é vã.” (Tiago 1.26)

Para todas as palavras que dizemos, boas ou más, de encorajamento ou de destruição, positivas ou negativas, verdadeiras ou mentirosas, de louvor ou de escárnio, de valorização ou de desvalorização, de aceitação ou de rejeição, existe sempre um interlocutor, inclusivamente Deus, alguém que está a ouvir e que, com certeza, terá, igualmente, uma palavra a dizer.

“Digo-vos que de toda a palavra frívola que proferirem os homens, dela darão conta no dia do juízo, porque, pela tuas palavras, serás justificado e, pelas tuas palavras serás condenado.” (Mateus 12.36)

Se a palavra não fosse assim tão importante, não teria sido o modo primordial que Deus escolheu para criar todas as coisas visíveis e invisíveis, e também para nos passar os Seus Ensinamentos, Promessas, Mandamentos, Princípios e Preceitos.

Para Deus, a palavra é tão importante, que existem vários princípios associados à mesma, tais como:

– Não devemos dizer uma coisa e fazer outra, as nossas palavras devem ir ao encontro da nossa ação;
– Devemos agir de acordo com a Palavra de Deus;
– A palavra sustenta e tudo o que existe é proveniente da mesma;
– Tudo o que dizemos é um reflexo daquilo que somos ou pensamos;
– Vigiando tudo o que sai da nossa boca, estaremos a revelar a dimensão da nossa fé e reverência que temos por Deus.

Não se iluda, as suas palavras têm peso sim, pois determinam aquilo que você é, como pensa e no que acredita, aliás, o próprio Senhor Jesus deixou esta advertência, quando disse:
“Raça de víboras, como podeis falar coisas boas, sendo maus? Porque a boca fala do que está cheio o coração.” (Mateus 12.34)

Bispo Júlio Freitas
juliofreitas.com

Deixe o seu comentário

Ou preencha o formulário abaixo.

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

1 comentário

luisa viana henriques Responder 19 Novembro, 2014 às 18:55

SR. Bispo, Eb forte. Gracas a DEUS.