Mensagem

Consequências da decisão

Broken wind-up. Freedom conceptO mundo gira em torno de decisões… a vida a mesma coisa. A massa humana vive das decisões tomadas por si mesma ou por terceiros…

Os políticos tomam decisões e o povo acata as mesmas…

As instituições tributárias aumentam os impostos disto e daquilo, e o povo obedece, pagando…

As instituições judiciais alteram as leis ou criam novas, e, mais uma vez, o povo aceita tais decisões…

Qual o resultado disto? Opressão, injustiça, pobreza, etc…

O médico toma a decisão de operar ou medicar um doente e o mesmo toma a decisão de se tratar. Umas vezes resolve, outras compromete a vida da pessoa.

Qual o resultado? Pessoas dependentes dos medicamentos, outras com sequelas para o resto da vida, outras ainda se apagam (falecem), por causa de erros médicos… porém, decisões foram tomadas.

A justiça feita pelos magistrados é realizada em cima de vereditos (decisões) “culpado” ou “absolvido”, a injustiça prolifera… e, mais uma vez, o povo aceita.

As empresas tomam decisões e os trabalhadores acatam, sendo-lhes negado, muitas vezes, o direito de progresso laboral e financeiro, mas os mesmos aceitam…

O sistema bancário decide cobrar selo de imposto disto e daquilo e o povo paga pelas decisões dos outros.

O comércio decide aumentar o preço dos bens essenciais e o povo aceita, pagando…

Decisões e mais decisões são tomadas e são aceites, ainda que se diga “não concordo”, mas lá se vão adaptando à dura realidade de uma vida onde os sonhos de ontem são frustrados, e os de hoje e de amanhã morrem sufocados.

Tudo por falta de uma coisa apenas: DECISÃO!

A vida é feita em cima de decisões e, conscientes ou não, elas são tomadas a todo o instante…

Se cada um usar o poder da decisão e decidir fazer o certo, tenho a certeza que este quadro será diferente.

O povo de Israel estava a viver uma situação lastimável, porque não decidiu fazer o certo no Altar do Deus-Vivo. Foi, então, que o povo deu o poder de decisão a terceiros, neste caso, ao rei e sua mulher, que viviam corrompidos.

Opressão, fome, desespero, angústia, miséria e por aí fora, eram a companhia diária de um povo escolhido, porém, que não se escolhera a si mesmo para Deus, servindo-O.

Nos nossos dias acontece o mesmo e pelas mesmas razões.

Existem os escolhidos, mas nem todos são decididos.

E o poder da decisão é tão forte, que quem dele se faz valer predispõe-se a fazer o que necessário for (sacrifício) para colocar a sua vida de acordo com o Plano de Deus.

Ao dar ouvidos à voz de um homem decidido, o povo achou boa a sua palavra.

“Então invocai o nome do vosso deus, e eu invocarei o Nome do Senhor; e há-de ser que o deus que responder por meio de fogo esse é que é Deus. E todo o povo respondeu e disse: É boa esta palavra.” (1 Reis 18-24)

Após não existir resposta da parte dos profetas de baal, Elias, decidido, chama mais uma vez o povo para junto de si…

“Então, Elias disse a todo o povo: Chegai-vos a mim. E todo o povo se chegou a ele; Elias restaurou o Altar do SENHOR, que estava em ruínas.” (1 Reis 18.30)

É isto que Deus espera de cada um de nós, que acheguemos o povo ao Altar e que o mesmo seja restaurado por cada pessoa, para que desça o Fogo da Resposta, que purificará a vida das pessoas de todas as calamidades atuais…

O povo UNIVERSAL não pode viver na indecisão, não pode viver dividido!

As pessoas têm que tomar a responsabilidade de restaurar o Altar do DEUS-VIVO, caso contrário, viverão na decisão dos outros, que nunca os irão favorecer.

O nosso povo tem o poder para decidir, tão somente temos que o despertar, como fez Elias, no seu tempo…

É inaceitável pastorear um povo que depende das decisões de terceiros …

É revoltante.

Sejamos fortes, sejamos decididos, e o povo nos seguirá.

Colaborou: Pr. Manuel Texeira – Portugal

Deus é contigo, e eu também!

Bispo Júlio Freitas

Deixe o seu comentário

Ou preencha o formulário abaixo.

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *