Mensagem

Não basta ser qualquer uma…

A Fé… Afirma a Palavra de Deus que, sem obras, ela é morta. Mas, será que qualquer tipo de ‘obra’ é suficiente para a Fé se tornar viva?

À pergunta “Qual é a condição para a Fé ser Viva?”, a resposta que imediatamente vem à mente de todos é: “ter Obras”, pois assim Afirma a Palavra de Deus (Tiago 2.26). Porém, logo a seguir vem a pergunta mais lógicas de todas: “O que são as OBRAS?”

É aqui que muitos são reprovados…
 pois as Obras não são umas quaisquer, e sim pautadas pela Obediência à Palavra de Deus, que exige Atitudes, Perseverança, Disciplina… por exemplo, temos como exemplos negativos da Fé as pessoas que se automutilam, que fazem promessas de percorrer longas distâncias por semanas a pé, de joelhos… e há quem cometa crimes hediondos para as cumprir… a sua fé-religiosa, cega, sectária, também está a ser acompanhada de obras… mas, por que motivo não existem resultados positivos, bênçãos, realização, libertação ou Salvação? Porque é uma fé desobediente à Palavra do Deus-Vivo!

Sim, a Fé Viva é uma Fé acompanhada de Obras… mas, então, que Obras concretas? A Obediência, que, por sua vez, exige Disciplina! E só obedece quem se sujeita e quem não se sujeita não é disciplinado e, consequentemente, se mantém frustado!

Em tudo existe uma ordem, uma disciplina e na Fé não é diferente! Não há fé-consciente sem disciplina, sem ordem, sem regras ou sem regulamentos, porque Deus espera da nossa parte obediência. Observe o exemplo dos anjos, existe uma hierarquia no Céu: anjos, arcanjos, querubins e serafins… e todos obedecem a UM só: Deus! Aqueles que escolheram não obedecer, se rebelaram e enveredaram pela via da indisciplina, estes são os “anjos caídos”, os demónios.

Repare que a Fé, para ela ser aceite por Deus, e Ele se agradar e nos abençoar, existindo esta relação de reciprocidade entre Deus e o ser humano, a criatura e o Criador, o físico e o Espiritual, o visível e o Invisível, o terreno e o Celestial, o limitado e o Ilimitado, o Senhor e o servo – é obediente e disciplinada!

Tal como não existe amor sem fidelidade, sem respeito, sem submissão, sem sacrifício, sem a vontade de ver a outra pessoa feliz, mesmo que isso implique fazer a vontade dela e não a sua. Repare que tanto o amor como a Fé exige também obras, obediência e disciplina… se não há, então, acontece o quê? O divórcio!

Se fizermos um paralelo entre o amor e o dinheiro, fica mais fácil para que entendam. O Espírito Santo Afirma que:

”O amor ao dinheiro é a raiz de toda a espécie de males”

(I Timóteo 6.10)

…ou seja, o dinheiro não é o mal em si mesmo, mal é a paixão, amor do ser humano por ele, isto sim, é que o torna “mal”.

Almas têm sido lançadas no inferno por terem dedicado a sua cobiça desenfreada ao dinheiro.
 A “sede”, a “fome”, a idolatria delegada ao dinheiro tem sido tão intensa, que há quem sacrifique a vida de outros em prol do mesmo, ou entregue a sua própria alma ao diabo em troca dele.

Esse amor desenfreado ao dinheiro faz das suas vítimas o primeiro e mais importante senhor das suas vidas, gerando, assim, a indisciplina e, consequentemente, a morte!

Por conta disso, quem o ama, mente, mata, rouba, trai, destrói, se vende, enfim, é capaz de fazer qualquer coisa para tê-lo. Adora, idólatra, venera, rende-se, entrega-se e torna-se, literalmente, seu escravo…
 Tudo isso pelo amor ao dinheiro, que leva à autodestruição.

Mas quem fala de dinheiro pode falar de qualquer outra coisa… pois tudo aquilo cuja importância colocamos acima de Deus, devotando-nos a esse mesmo objeto ou pessoa, estamos a ser indisciplinados! O pior é que o diabo sabe disso, que a prática de uma fé indisciplinada leva à destruição do ser humano! Pois, o que é, de facto, a indisciplina? É um desequilíbrio! A pessoa perde o foco ou não alcança o seu objetivo porque se extravia do Caminho Verdadeiro: Jesus.

Imaginemos, se esse mesmo amor oferecido ao dinheiro e dedicação fosse oferecida ao Único Senhor dos senhores! Se assim fosse, o Senhor Jesus nem precisaria ter vindo ao mundo e sacrificar-Se por nós.
 O facto é, que quem ama submete-se e obedece às leis do amor.

Sabe-se que sem Fé é impossível agradar a Deus.
 Mas, que tipo de fé agrada ao Senhor? Em princípio, todos têm fé, porém, nem todos O agradam.
 Se O fizessem, então, todos seriam Abençoados e Salvos como foi Abraão.
 Este O agradou ao ponto de ser chamado “amigo de Deus”, deixando-nos um exemplo a seguir, para que também pudéssemos ser considerados igualmente Seus amigos.

Porquê? Porque Abraão Lhe apresentava uma Fé Prática, alicerçada em “duas pernas”: na OBEDIÊNCIA e na DISCIPLINA da Sua Palavra. Ele obedecia à Sua Voz! A disciplina da Fé abraâmica, sustentada e praticada na Palavra Divina, o fez justo, puro e santo diante do Senhor. Essa é a Fé que agrada a Deus e abençoa o fervoroso.

Imagine se Abraão tivesse tido fé em Deus e não obedecesse à Sua Voz, por acaso seria amigo de Deus?
 Seria justo, puro e santo diante de Deus? É óbvio que não.

A sua Fé, aplicada na disciplina da Santa Palavra é que lhe rendeu o título de “Pai na Fé”.

Então, a pergunta que necessitamos nos colocar é: A minha fé tem sido disciplinada na prática da Palavra de Deus?

Resposta: Cada um tem que responder a si mesmo!

Caro leitor, a Fé Viva e Bíblica exige uma disciplina, a qual é acompanhada da obediência perseverante, que faz com que venhamos a amadurecer, crescer, desenvolver e abençoar as pessoas que fazem parte da nossa vida! Por isso, prove a Deus todos os dias que, na sua vida, Ele está acima de tudo e de todos!

Deus é contigo e eu também

Bjf

Deixe o seu comentário

Ou preencha o formulário abaixo.

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *