Mensagem

O poder das palavras (II)

Começam por simples letras que se associam a outras… assim nascem as palavras, fonte de poder ou de destruição, dependendo de quem, como e por que motivo as usa

“No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Todas as coisas foram feitos por intermédio dele, e, sem ele, nada do que foi feito se fez.”
(Jo 1 e 3)

Foram as palavras, no caso, as proferidas por Deus, que nos trouxeram à existência, por isso, as palavras que proferimos são acção, e, como seres criados à Sua Imagem e Semelhança, tal como Deus, as nossas palavras também transportam poder.

Contudo, é também a Bíblia que nos alerta que “De uma só boca procede bênção e maldição”, pois, “Com ela, bendizemos ao SENHOR e Pai; também, com ela, amaldiçoamos os homens, feitos à semelhança de Deus” (Tiago 3.9-10). Por isso, tenha sempre em atenção que “A morte e a vida estão no poder da língua; o que bem a utiliza come do seu fruto.” (Provérbios 18.21).

Na Bíblia podemos encontrar várias situações em que as palavras foram usadas com poder, o qual estava no interior de quem as proferiu:

Para Criar

“Haja luz” (Génesis 1.3)

Para Dominar

“Deu nome o homem a todos os animais domésticos, às aves dos céus e a todos os animais selváticos…” (Génesis 2.20)

Para Abençoar

“Deus te dê do orvalho do céu, e da exuberância da terra, e da fartura de trigo e de mosto: Sirvam-te povos, e nações te reverenciem; sê senhor de teus irmãos, e os filhos de tua mãe se encurvem a ti; maldito seja o que te amaldiçoar e abençoado o que te abençoar” (Génesis 27.28-29)

Para Amaldiçoar

“Então, lhe disse Jesus: Nunca mais coma alguém fruto de ti!” (Marcos 11.14)

Para Destruir

“Ora, a língua é fogo; é mundo de iniquidade; a língua está situada entre os membros de nosso corpo, e contamina o corpo inteiro, e não só põe em chamas toda a carreira da existência humana, como também é posta ela mesma em chamas pelo inferno.” (Tiago 3.6)

Segunda parte…

Para Vanglória

“Assim, também é a língua, pequeno órgão, se gaba de grandes coisas. Vede como uma fagulha põe em brasas tão grande selva!” (Tiago 3.5)

Para Consolar

“Humilhai-vos, portanto, sob a poderosa mão de Deus, para que ele, em tempo oportuno, vos exalte, lançando sobre ele toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós.” (2Pedro 5.6-7)

Para Curar

“Então, disse Jesus ao centurião: Vai-te, e seja, feito conforme a tua fé. E, naquela mesma hora, o servo foi curado.” (Mateus 8.13)

Para Ressuscitar

“E, tendo dito isto, clamou em alta voz: Lázaro, vem para fora! Saiu aquele que estivera morto, tendo os pés e as mãos ligados com ataduras e o rosto envolto num lenço. Então, lhes ordenou Jesus: desatai-o e deixai-o ir.” (João 11.43-44)

Para Salvar

“Se, com a tua boca, confessares Jesus como Senhor e, em teu coração, creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo. Porque com o coração se crê para justiça e com a boca se confessa a respeito da salvação.” (Romanos 10.9-10)

Exercício para hoje:

1. Elimine as palavras negativas do seu vocabulário;

2. Acredite nas suas próprias capacidades, tornando-se na sua própria claque;

3. Repita, todos os dias, palavras de incentivo para si mesmo;

4. Assuma as responsabilidades de tudo o que acontece consigo;

5. Mude aquilo que precisa de ser mudado.

Por todos os motivos apresentados, cada um de nós deve assumir a sua própria responsabilidade ao falar. As palavras tem uma força própria, semelhante à da lei da gravidade, ou seja, quando atiramos algo para o ar, é mais do que certo que regresse à terra! Imagine, então, que cada palavra que sai da sua boca vai para cima? Num dado momento, elas cairão… resta saber: serão boas ou más palavras? Imagine que as palavras boas são como flores perfumadas e as palavras negativas como pedras. O que você tem atirado? Flores ou pedras? Por isso, seja – conscientemente – responsável por tudo aquilo que diz…

“Digo-vos que de toda palavra frívola que proferirem os homens, dela darão conta no Dia do Juízo; porque, pelas tuas palavras, serás justificado e, pelas tuas palavras, serás condenado.” (Mateus 12.36-37)

Por seu servo em Cristo,
Bispo Júlio Freitas
bispojulio.com

Deixe o seu comentário

Ou preencha o formulário abaixo.

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *