Mensagem

Saber como pedir

saberpedir2No Sermão na Montanha, Jesus disse que quem pedir receberá, quem buscar irá encontrar e quem bater irá encontrar uma porta aberta (Mateus 7:7,8).

Mas como todos os versículos da Bíblia, temos que entender o contexto.

Jesus continua dizendo que Deus nunca deixará de dar coisas boas para os Seus filhos (versículo 11).

Então, isto é uma condição para a promessa que diz, ”Pedí, e dar-se-vos-á”: o que nós pedimos tem que ser bom aos olhos de Deus. Deus presenteará os Seus filhos com o que lhe beneficia; Ele não nos dará coisas más ou perigosas, não importa o quanto nós pedimos. O melhor exemplo disso é o Espírito Santo, de acordo com Lucas 11:13. Começamos a ver uma dupla fidelidade de oração: para aumentar o nosso entendimento do que Deus chama “bom” e para cultivar um desejo em nós para o que é bom.

Se um filho pede algo que o pai sabe que é perigoso, o pedido será recusado. O filho até pode estar decepcionado e triste por não receber o que pediu, mas ele deve confiar no seu pai. Da mesma forma, quando um filho pede algo que o pai sabe que é benéfico, o pai dará ao filho com alegria porque ele ama o seu filho.

A segunda condição para a promessa “Pedí, e darse- vos-á” é mencionada em João 14:14:

“Se me pedirdes alguma coisa em meu nome, eu o farei.”

Aqui, Jesus não promete qualquer coisa nem tudo o que os Seus discípulos querem; ao contrário, Ele instrui-os a pedir “em Meu Nome”. Orar em nome de Jesus é orar baseado na autoridade de Jesus, mas também envolve orar de acordo com a vontade de Deus, porque Jesus sempre fez a vontade de Deus (João 6:38). Esta verdade é vista em 1 João 5:14, “se pedirmos alguma coisa segundo a sua vontade, ele nos ouve.” Os nossos pedidos têm que ser consistentes com a vontade de Deus.

A promessa de “Pedí, e dar-se-vos-á,” mesmo com as suas condições, nunca nos irá decepcionar. Não existe nenhuma chance de coisas que precisamos, não serem da vontade de Deus. Ele promete suprir o que precisamos…

“buscai, pois, em primeiro lugar, o seu reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas.”

(Mateus 6:33)

É claro que o que queremos não é sempre o que precisamos.

Deus sabe o que é bom para nós e Ele é fiel e amoroso para dizer não à orações egoístas e absurdas, não importa o quanto queremos o que estamos a pedir. Deus sempre nos dará coisas boas. O nosso dever é entender o que é bom, para sabermos o que pedir. A mente natural não pode entender isso. Mas, quando nos ofertamos como um sacrifício vivo e somos transformados pela renovação das nossas mentes, então nós “podemos testar e aprovar o que é a vontade de Deus – A boa, agradável e perfeita vontade de Deus” (Romanos 12:1,2).

Deus o abençoe.

Bispo Randal Brito

Deixe o seu comentário

Ou preencha o formulário abaixo.

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *