Mensagem

Eles não eram amigos de Facebook

amigo-facebook

Ele não podia andar. Paralítico já há muito tempo, tudo o que podia fazer era se arrastar, sentar ou ficar deitado.

Qualquer locomoção mais longa dependia que outros o carregassem. Mas quem tinha tempo para isso? Quem se importava?

Quatro amigos. Sim, quatro homens se importaram. E um dia decidiram levar seu amigo em uma cama improvisada até a casa onde um tal de Jesus estava. Sua fama era de que curava os doentes de todas as enfermidades.

Mas chegando lá, não havia espaço nem para chegar perto da porta. Centenas de pessoas aglomeravam para ouvir uma palavra, ao menos conseguir mirar o rosto dele, ou quem sabe, com um pouco de sorte, tocá-lo. Os quatro amigos estavam determinados. Não decepcionariam seu amigo, levando-o de volta sem solução. Não desperdiçariam a viagem. Era agora ou nunca. Precisavam chamar a atenção de Jesus.

Alguém teve a ideia: “O telhado!” Subiram na casa, removeram parte do telhado, amarraram cordas na cama, e baixaram o homem até onde Jesus estava. Ele, vendo a fé deles (dos amigos), imediatamente curou o paralítico. (Leia a história em Marcos 2.)

Amigo é para essas coisas. Amigo de verdade não é amigo de Facebook. Como aqueles quatro, amigo se importa, lhe carrega quando você não pode, não decepciona, não vê obstáculo para lhe ajudar, não lhe deixa caído mas lhe coloca de pé.

Um marido desesperado nos escreveu porque sua esposa queria deixá-lo após 18 anos de casamento. A razão? “Amigas” solteiras fizeram a cabeça dela dizendo que “vida de casada não é vida”.

A palavra “amigo” é usada muito casualmente hoje em dia. Na era do Facebook, as pessoas têm milhares de “amigos” virtuais e não sabem mais o que significa uma amizade. Do latim “amicitia”, amizade é uma palavra derivada de “amor”. Como pode uma amizade querer que você não tenha um casamento?

Fique muito tempo com uma pessoa e ela acabará lhe influenciando. Por isso, escolha bem suas amizades.

E antes de se dizer “amigo” de alguém, pense se você se importa o bastante para ajudar aquela pessoa no momento da necessidade. Do contrário, considere-se apenas um conhecido.

Bispo Renato Cardoso

Deixe o seu comentário

Ou preencha o formulário abaixo.

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *