22º dia – Independente e Dependente

Olá a todos. Fico muito feliz por si, internauta, que tem participado aqui, no Blog, ouvindo e fazendo os seus comentários. Talvez ainda não tenha chegado o momento, de deixar registada a sua participação, mas chegará a hora em que se sentirá “obrigado” a comentar, porque algo extraordinário acontecerá na sua vida! Isto é, se permitir que a Palavra de Deus chegue até si.Fotolia_56028285_Subscription_XXL

“Mas ele lhes disse: Meu Pai trabalha até agora, e eu trabalho também. Por isso, pois, os judeus ainda mais procuravam matá-lo, porque não somente violava o sábado, mas também dizia que Deus era seu próprio Pai, fazendo-se igual a Deus.” (Jo.5:17,18)

Deus trabalha! O que repara, por exemplo, no dia a dia do Senhor Jesus, nos Evangelhos?

Deus não está a olhar para o Seu “próprio umbigo”, para Si mesmo, mas entrega-Se por nós. E a prova, é que deu o Seu Filho, o Seu Unigénito, para Se tornar, hoje, Primogénito entre muitos irmãos!

O verdadeiro cristão, que é batizado e selado com o Espírito Santo, não se sente realizado quando vive para o seu egoísmo, porque Deus ensina-nos a dar, a entregar.

A preocupação, os pensamentos de Deus, relacionam-se, na totalidade, com o “dar”! E muitas pessoas, apesar de estarem a fazer trabalho na Igreja, estando ativos ou não, nem sempre estão a trabalhar para Deus.

Como?

Fazem muito, mas tudo para benefício pessoal, porque querem agradar! Até se comprazem naquilo que fazem, mas não o fazem da forma que agrada a Deus.

Por exemplo: Muitas pessoas que servem, como esposas de pastor, obreiras, Educadoras da EBI, membros do Força Jovem, etc., até fazem o seu trabalho, mas as suas palavras são “vazias”. Não estão a “trabalhar” com o Pai. Não existe nenhuma luta do diabo contra elas. Podem viver “lutas”, resultado da sua própria “carne” e vontades, mas o mal não batalha contra o seu ministério, porque não o “incomodam”.

Falando sobre mim… mesmo sendo esposa de bispo, estando a atender, escrevendo posts, etc., quando eu estou voltada para uma preocupação, ou centrada em algo “meu”, da minha própria vida, digo-vos: Sinto-me frustrada! Porque Deus não me chamou para trabalhar para o “meu mundo” ou para me focar no meu egoísmo. Chamou-me para eu gerar discípulos, pregar o Evangelho a todo o mundo! E qual Evangelho? Aquele que começa dentro de mim e se renova a cada dia! E não algo sistemático, porque esse não é o trabalho de Deus.

Uma prova muito evidente, que revela que você fica literalmente “amarrada” na fé, é quando se preocupa com as suas “coisinhas”: família, trabalho, etc. Tudo em relação a si!

E perguntará: “Mas nós temos necessidades. Não teremos, então, preocupações?!”

Todas as vezes que eu tive necessidades e me preocupei por elas, vivi um “inferno”, com os conflitos dentro de mim. Não me sentia realizada porque, na verdade, não estava a viver a fé; não estava no Espírito! Essa é a realidade. Não estava em condições de ajudar ninguém naquele momento. Estava atrofiada, como em meio a uma areia movediça, na qual temos tendência de nos aprofundar cada vez mais.

E você, ainda que em pleno Jejum, está a permitir-se “afundar”, mesmo sabendo acerca da fé inteligente, e o que tem de fazer, em consciência, para se livrar…

“E, afinal, o que faço, para sair da situação?!”
, pergunta você…

A única coisa a fazer, é colocar esse problema nas mãos de Deus e parar de o tirar, quando bem lhe apetece… E a prova, é a sua paz!

Terá que ir contra o seu sentimento, contra aquilo que a tem enfraquecido.

Eu já fiz isso!

Passei por uma situação, este ano, em que fiquei um mês “parada”, estagnada, preocupada com algo que, mesmo sendo novo, era pessoal, e Deus não me chamou para ficar preocupada comigo, mas para O servir.

Sabe que viver no sentimento, é viver no pecado, porque isto impede-a de agir a fé. Não consegue falar com Deus, na “razão”; pensar em Deus, de acordo com o que crê. Só sente, sente, sente…

Tem que dar um basta nisso!!

Eu sentia-me literalmente escrava daquele sentimento. Por isso, deixei de dar atenção àquele problema familiar, não ficava de “lenga-lenga”, mas comecei a pensar naquilo que Deus me chamou para fazer.

A princípio foi difícil, mas eu perseverei naquilo que cria!

E, depois de uma semana de luta, em que a carne prevalecia em “sentir”, ultrapassei-o!

E é isso que deve fazer!

Eu falo de mim, para que compreenda que cada ser humano vive a sua luta. E mesmo você, que é nascida de Deus, batizada com o Espírito Santo, também atravessa momentos difíceis.

Todas as vezes que fui egoísta, eu “travei” a minha bênção, mas quando eu entreguei nas mãos de Deus, confiei e me dediquei a servi-Lo, fui surpreendida!

Aja a sua fé, deixe esse sentimento de lado. Pare de ficar escrava e valorize-se, porque quando eu o fiz, deixei de ficar triste e “amarradinha”, de ser dependente, para ser independente das circunstâncias.

Encontra-se, neste momento, dependente ou independente?

Deus é independente das circunstâncias!

Veja o que Ele fez com o próprio Filho, entregando-O em nosso favor. Agiu, não pelo que sentiu, mas por aquilo que cria, e é exatamente isso que tem de fazer.

Deve trabalhar para servir a Deus, indepentemente da sua “posição” na Igreja. O que importa é agir a fé que traz resultados, e essa fé emotiva, nada traz de resultados!

Odeie esse sentimento que a torna frágil, e coloque a sua visão, os seus olhos, em servir a Deus. Pare de olhar apenas para si!

Neste Jejum de Jesus, pensa que é Ser você com Ele?! Não!! É Ser Um com Ele! Ter os pensamentos d’Ele, ser movida por Ele, usada por Ele, e será muito mais feliz – digo-o por experiência própria – do que quando fica “agarrada”, presa, aos seus próprios egoísmos.

Faça o seu comentário!

Amanhã estaremos de volta.

Viviane Freitas

Deixe o seu comentário

Ou preencha o formulário abaixo.

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *