31º Dia – A Murmuração / Reclamação

“Murmuravam, pois, dele os judeus, porque dissera: Eu sou o pão que desceu do céu. E diziam: Não é este Jesus, o filho de José? Acaso, não lhe conhecemos o pai e a mãe? Como, pois, agora diz: Desci do céu? Respondeu-lhes Jesus: Não murmureis entre vós. Ninguém pode vir a mim se o Pai, que me enviou, não o trouxer; e eu o ressuscitarei no último dia. Está escrito nos profetas: E serão todos ensinados por Deus. Portanto, todo aquele que da parte do Pai tem ouvido e aprendido, esse vem a mim. Não que alguém tenha visto o Pai, salvo aquele que vem de Deus; este o tem visto. Em verdade, em verdade vos digo: quem crê em mim tem a vida eterna.” (Jo.6:41-47)jeune31

Aqueles judeus, estavam a murmurar, porque o Senhor Jesus havia dito ser o Pão que desceu do céu, e eles questionavam entre si, como seria possível apresentar-Se como Filho de Deus, se conheciam os Seus pais. Não entendiam o que Jesus estava a dizer.

Se reparar na resposta do Senhor Jesus ficará estupefacta! Olhe o que Ele disse, por outras palavras: “Se você não está a entender o que lhe ofereço e o que lhe estou a dizer, é porque o Pai não a enviou!”

Não tem jeito! Se o Pai não o trouxer ao Senhor Jesus, não adianta ficar a murmurar, tentando entender à sua maneira, porque Deus não a chamou.

E perguntará você: “Quer dizer que Deus faz acepção de pessoas?!” Não! Deus não faz acepção de pessoas, mas quem ouve e aprende, esses são os que vão ao Senhor Jesus, e não apenas aqueles, que estão a ouvir a mensagem e a informar-se, mas os que têm ouvido e aprendido. Esses vêm a Ele! E porquê? Porque à medida que ouço a Palavra de Deus, permito que essa Palavra me lave, me tire as ideias erradas, maus olhos, sentimentos como ansiedade, preocupação, dúvida, medo, inconstância…

Quando ouço a Palavra de Deus e a trago para a minha vida, crio a divisão entre a fé racional e a emoção! Eu ouço, aprendo e vou até Deus, participando-Lhe tudo, pois só Ele tem a capacidade de operar a mudança extraordinária em mim.

Muitas pessoas ficam à espera que alguém as procure, por exemplo, a esposa do pastor, a obreira… na dependência de um acompanhamento. E isso não significa ir ao Pai, ouvir e aprender. Pois, se espera por alguém, é sinal de que não está interessada, não está a buscar, mas quando existe essa sede, pergunta, ouve, junta-se aos que são de Deus, para aprender!

Pensa que sempre estive a ensinar, no percurso da minha vida? Não! Tornei-me esposa de pastor com 17 anos e esperei encontrar outras pessoas que me ensinassem, mas olharam para mim como a filha do bispo Macedo, que não precisava ser ensinada!

Quando estava nesta situação, pretendia amadurecer na minha fé e descobrir respostas para o que não sabia. E procurava, perguntava… Ficava, muitas vezes, perto dos pastores, para ouvir o que estavam a dizer, e aprender. Ficava atenta ao que o meu pai orientava aos servos de Deus, para trazer para a minha vida, e também ajudar o meu marido. Ser útil na Obra de Deus e servi-Lo. Eu não fui chamada para ser uma esposa de pastor, para me “arrumar”, mas para ganhar almas, e queria aprender como servir melhor, e que alguém me ensinasse. E, quando queria, ía até às pessoas, perguntava e me expunha!

E, assim, fui-me chegando a Deus e encontrando respostas. Não fiquei à espera que alguém fizesse o meu papel, mas fui atrás do que queria!

Mas eu vejo que, muitas pessoas, na igreja, ficam à espera que alguém as acompanhe, e isso é péssimo! Quando há interesse em fazer o que é certo, você procura, tira as suas dúvidas! E não se preocupe em “incomodar” ou que não a entendam… é questão de necessidade em valorizar-se, resolvendo a sua questão. Isso é lutar pelos seus direitos, e revela interesse em ser melhor para Deus!

Aqueles judeus murmuravam, e é provável, que as pessoas que não se “chegam”, murmurem: “Ah, é porque existem grupinhos; ela só vai até àquela pessoa…”. Mas sabe porquê? Porque essa pessoa procurou, buscou, interessou-se, e não apenas ficou a pedir oração. Mas achegou-se, recebeu orientação, seguiu a orientação! E este é o que tem ouvido e aprendido. Este vem até Jesus!

Quando você está interessada, pergunta, tira as dúvidas, sem timidez e vergonha, procura uma fé inteligente, e não emotiva; quer uma resposta, uma direção…

Use a sua cabeça, porque, de outra forma, será literalmente escrava dos seus sentimentos. E não adianta murmurar!

Se você é uma dessas pessoas, que murmura, que a sua vida não vai adiante, porque não tem a ajuda de ninguém, é porque não “se escolheu”, e não chamou a atenção de Deus, porque não O buscou.

Aquele que resolve o problema pela raiz, esse busca a Deus! A fé exige obediência, humildade, atitude. Não tem nada a ver com sentimentos. Não há timidez ou influência do passado, seja este qual for… Só interessa o que quer atingir.

Seja racional! Deus não a chamou para ficar na “minha mão”, ou na “mão de alguém”, mas para O buscar e resolver o que está dentro de si. Se tem que falar com uma esposa de pastor, ou tirar uma dúvida aqui no Blog, ainda que pense que há tantas questões, e que poderá não obter resposta… o que custa tentar?! Nada!!

Quem procura, insiste, busca, bate à porta, é perseverante. E isto é o que muitos não querem fazer, porque acham uma humilhação perseverar; que a “outra” não está a fazer caso de si… Mas é independente do que os outros pensam! A minha atitude é que tem de provocar a minha resposta!

Ou pensa que os milagres de Deus aconteceram na minha vida, apenas porque Deus se agradou de mim? Não! Eu tive que tomar posse da promessa! Há uma Guerra… que exige constância, crença, força, fé inteligente e atitude!

Seja livre dessa mentalidade que a faz ter uma vida “amarrada”! Eu já a tive, mas, a partir do momento que aprendi sobre a fé inteligente, tornei-me numa ameaça para o diabo. É isso que você tem que ser: Uma ameaça para o diabo! Ser uma pessoa de atitude, não para fazer o que é errado, mas para resolver o problema que tem dentro de si.

Agora é a sua vez de tomar atitude! Encontramo-nos aqui amanhã.

Viviane Freitas

Deixe o seu comentário

Ou preencha o formulário abaixo.

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *