39º Dia – A mulher adúltera

Olá a todos os internautas!

Já estou aqui, no Templo de Salomão, na expetativa de Sábado, intercedendo pela Igreja em todo o mundo, por aqueles que fizeram os seus votos e sacrifícios.

Hoje vamos falar sobre a “Mulher Adúltera”: 39jeune

[floatquote]“Os escribas e fariseus trouxeram à sua presença uma mulher surpreendida em adultério e, fazendo-a ficar de pé no meio de todos, disseram a Jesus: Mestre, esta mulher foi apanhada em flagrante adultério. E na lei nos mandou Moisés que tais mulheres sejam apedrejadas; tu, pois, que dizes? Isto diziam eles tentando-o, para terem de que o acusar. Mas Jesus, inclinando-se, escrevia na terra com o dedo. Como insistissem na pergunta, Jesus se levantou e lhes disse: Aquele que dentre vós estiver sem pecado seja o primeiro que lhe atire pedra. E, tornando a inclinar-se, continuou a escrever no chão. Mas, ouvindo eles esta resposta e acusados pela própria consciência, foram-se retirando um por um, a começar pelos mais velhos até aos últimos, ficando só Jesus e a mulher no meio onde estava. Erguendo-se Jesus e não vendo a ninguém mais além da mulher, perguntou-lhe: Mulher, onde estão aqueles teus acusadores? Ninguém te condenou? Respondeu ela: Ninguém, Senhor! Então, lhe disse Jesus: Nem eu tampouco te condeno; vai e não peques mais.] (Jo.8:3-11) [/floatquote]
<em>
O Senhor Jesus disse: “Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei.”</em> (Mt.11:28)

Você pode ser o pior pecador do mundo, mas, como certamente já acompanhou nas pregações do Bispo Macedo, e nas reuniões, sempre são convidados, em frente ao altar, aqueles que querem arrepender-se e assumir a fé. Não importa o seu passado. Para o Senhor Jesus, importa de agora em diante.
<strong>
Mas se a pessoa quer permanecer no seu pecado, prevalecendo em falhar, e “curte” os seus erros, a situação não lhe será favorável, porque o salário do pecado é a morte.</strong>

Veja que, os primeiros a acusarem aquela mulher, foram os escribas e fariseus, porque eram estudiosos, conhecedores da Lei, e pretendiam encontrar algo para apontar ao Senhor Jesus, na Sua conduta e Palavras.

Mas, quando ouviram a Sua resposta: “Aquele que dentre vós estiver sem pecado seja o primeiro que lhe atire pedra”, acusados pela própria consciência, foram-se retirando um por um, começando pelos mais velhos, até aos últimos.

Todos nós, humanos, temos a nossa consciência. Conseguimos diferenciar o que convém, daquilo que não convém, o que é puro e impuro. E isto, quer tenhamos Deus ou não, pois aprendemos, desde crianças, a distinguir o certo do errado. Até mesmo a mentira, que é uma das primeiras coisas que a criança aprende, já é usada para esta se esconder atrás dos seus erros.

O que aconteceu é que os fariseus e escribas, que conheciam bem a lei, sabiam que aquela mulher deveria ser apedrejada. Mas o Senhor Jesus não veio para condenar; Ele veio para salvar. Justamente o contrário do que muitos pensam: Que, em chegando à Igreja, vão sentir-se acusados. Na realidade, a sua consciência já os acusa, sabendo que precisam de salvação; de um socorro ou algo que lhes dê uma esperança.

Quando alguém comete erros gravíssimos, em sociedade, é sentenciado à prisão, por vezes, durante vários anos, dependendo do crime.

Agora, imagine, quando comete vários erros, de conduta, de caráter, que podem considerar-se como os piores problemas e pecados?! Por exemplo, quando mente, engana, inclusive através do adultério, que é um meio de ocultar o pecado, como era o caso aquela mulher… Mas, quando ela foi até ao Senhor Jesus, colocando-se diante d’Ele, o Senhor Jesus não a acusou, mas disse: “Mulher, onde estão aqueles teus acusadores? Ninguém te condenou?

Respondeu ela: Ninguém, Senhor! Então, lhe disse Jesus: Nem eu tampouco te condeno; vai e não peques mais.”

Em outro trecho, do Evangelho, pode ler-se com mais detalhe, acerca da prática do pecado: “…não peques mais, para que não te suceda coisa pior.” (Jo.5:14) <strong>Os erros que cometemos, podem levar-nos a consequências drásticas nas nossas vidas, como infelicidade, tristeza, insegurança, e uma série de sentimentos, que até inibem o nosso direito de falar com Deus.</strong> É através da fé no Senhor Jesus, reconhecendo, igualmente, os nossos próprios erros, e odiando as nossas falhas, que obtemos o perdão.

E isto, não se traduz em algo superficial, mas numa dor, não de acusação, mas de ter sido uma pessoa injusta para com Deus, no seu procedimento. Tanto para com Deus, quanto para as pessoas à sua volta.

Quando existe essa “dor”, em relação ao seu erro e pecado, o Senhor Jesus a acolhe. Mas isto só acontece, com aqueles que um dia se sentiram tão acusados quanto essa mulher, como eu também já me senti… Mas Jesus não me condenou! Estendeu as Suas mãos, os Seus braços para comigo, e foi aí que eu vi o Seu grande amor.

É neste momento que Lhe dá a importância de Salvador, porque se “enxergou”, assim como essa mulher adúltera! Imagine, tendo enganado e adulterado; o peso da consciência, e mais as pessoas à sua volta para a acusar. Estaria atormentada…

<strong>O pecado atormenta-nos, mas quando nos voltamos para Deus, caímos na “real” e assumimos o nosso pecado como algo “nojento”, “sujo”, passamos a reconhecer o Senhor Jesus como nosso Salvador.</strong>

Veja que as pessoas que o acusam, não têm piedade, e não procuram ensiná-lo a olhar para a fé e arrepender-se, porque elas mesmas não viram a sua condição. O Senhor Jesus, que realmente não cometeu nenhum pecado – o Único – poderia acusar aquela mulher, mas não o fez. Porque Ele não veio para condenar, mas para salvar!

Eu não sei qual é a sua condição, caro internauta, mas sei de uma coisa: Erros, falhas, pecados, todos já cometemos, mas se existe realmente um arrependimento, você é grata a esse Deus, não pela boca dos demais, mas pelo que viveu. Encontrou-se em uma situação em que estava condenada ao inferno, numa vida completamente sem esperança, mas o Senhor Jesus apagou o seu passado, fazendo-a ter novos horizontes e perspetiva de vida.

É assim o nosso Deus, e por isso O adoramos! Porque já estivemos nessa condição, e, por isso, existe gratidão, temor a Deus e reverência. <strong>Porque o que Ele fez por mim e por si, não foi imposto por uma religião, mas fruto do amor incondicional que Ele teve para connosco.
</strong>
O Senhor Jesus aceita-o a partir do momento em que se arrepende.

Odeia o pecado e as suas falhas? Olhe para a frente! A fé inteligente permite-lhe odiar o pecado e resolver a questão. Fale sinceramente com Deus, exponha-Lhe tudo a seu respeito, e, assim, verá a Sua salvação.

Amanhã será o nosso último post da Quarentena, mas tenho uma surpresa preparada. Não perca!

 

<a href=”http://vivifreitas.me”><strong>Viviane Freitas</strong></a>

Deixe o seu comentário

Ou preencha o formulário abaixo.

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *