A divisão pessoal

IMG_8915Olá queridas leitoras! Sinto falta de escrever para vocês… infelizmente sinto falta de muitas coisas que as vezes simplesmente não dá para fazer, mas graças a Deus por tudo!

Recentemente machuquei o meu ombro e pescoço, e você que já me acompanha por um tempo sabe que essa não foi a primeira vez. Pois é, existem vários agravantes que contribuem para que isso aconteça de tempo em tempo, mas não se preocupe, estou trabalhando para que essa situação se acaba de vez 🙂 Entretanto, aprendi algo com essa situação que gostaria de compartilhar com vocês.

Quando fui ao médico, ele prontamente me disse que eu estava estressada. E eu rapidamente disse que não, que eu estava dormindo bem até que o problema no pescoço apareceu, e que estava em paz comigo mesma, não era uma pessoa nervosa.., enfim. Ele insistiu dizendo que além de todos os agravantes, o estresse também fazia parte deles, que talvez ele seja o maior deles.

Mais tarde fiquei pensando naquele diagnóstico, não o aceitei.

Como é que eu posso estar estressada e ao mesmo tempo em paz comigo mesmo?

Logo me lembrei de um outro episódio que aconteceu comigo alguns meses atrás.

Eu estava passando por uma situação pessoal muito ruim mas ao mesmo tempo, estava em paz. Eu estava na fé, confiante de que Deus iria dar um jeito naquela situação. Até que a noite, um pouco antes de dormir, meu coração começou a acelerar tanto que eu pensei que iria ter um ataque. Comecei a suar frio e a minha pressão abaixou ao ponto de eu não conseguir me explicar ao meu marido, que coitado não estava entendendo nada.

Cristiane, o que está acontecendo, o que você está sentindo?

E nada.

Até que comecei a repetir umas vinte vezes:

Eu não aceito isso…

Alguns longos minutos depois, aquilo passou. Voltei ao normal mas ao mesmo tempo intrigada.

Como que eu posso ter tido um ataque desses se eu estava na fé?

Minhas queridas, nós somos três em um: nós somos corpo, alma, e espírito. Lembram de quando escrevi a respeito?. Pois bem, as vezes um não se alinha com o outro e aí você tem que decidir qual vai ter que ceder.

Se o meu corpo está cansado mas o meu espírito está determinado em fazer esteira essa noite, o meu corpo vai ter que achar forças para que isso aconteça, ou seja, o corpo terá que se alinhar ao espírito. Mas o contrário pode acontecer também e é até mais comum: o espírito fazer a vontade do corpo e ao invés de eu ir exercitar, eu optar por descansar.

Isso acontece todas as horas e foi isso que aconteceu comigo naquele dia. O meu corpo estava sentindo a ansiedade daquele problema e reagiu, mas o meu espírito estava confiante de que aquele problema seria resolvido. Houve uma luta até que um teve que se alinhar com o outro, nesse caso, o meu corpo teve que ceder e o meu espírito venceu. Caso o meu espírito cedesse, eu entraria em pânico ou depressão.

Pude entender então porque o médico me dizia que eu estava estressada. Quem estava estressado era o meu corpo, não o meu espírito. Todas as lutas e as dificuldades que temos passado estavam se alojando nos meus ombros já que no meu espírito, eu estava e tenho estado em paz.

Tomei alguns remédios para desinflamar e descansei bastante por uma semana, mas não me entreguei. Dei ao meu corpo o que ele precisava mas não o que ele queria, que era se render a esse momento da minha vida.

Porque a inclinação da carne é morte; mas a inclinação do Espírito é vida e paz. Porquanto a inclinação da carne é inimizade contra Deus, pois não é sujeita à lei de Deus, nem, em verdade, o pode ser. Portanto, os que estão na carne não podem agradar a Deus. Vós, porém, não estais na carne, mas no Espírito, se é que o Espírito de Deus habita em vós. Romanos 8:6-9

A única forma de sermos fortes, perseverantes, e invencíveis é se andarmos no Espírito. A pergunta é: para quem você tem cedido recentemente, para carne ou para o Espírito?

Na fé.

Deixe o seu comentário

Ou preencha o formulário abaixo.

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *