A solitária independência

Meninas, como foi o fim de semana de vocês? O meu foi bastante proveitoso 🙂

Um dos meus highlights foi justamente ontem pela manhã, na hora da nossa palestra aos casais e solteiros. cris_cdaVocê que me segue, sabe que todo domingo as 9h30 estamos na Universal da Vila Mariana e ontem não foi diferente, na verdade, ontem procuramos focar nossa palestra nos solteiros. E eu, mais especificamente, nas mulheres solteiras. Não tem como né? Eu falo pensando como mulher e para as mulheres rsrsrs…

E eu comecei fazendo uma declaração que faço aqui de vez em quando, normalmente quando sei que estarei indo contra uma cultura atual… Eu sei que serei atacada por isso!

Aliás, essa declaração já pode começar o post de hoje.

Sabe amigas, eu sinto uma responsabilidade grande quando vejo todo mundo errando e ninguém falando nada para alertar essa multidão, pelo contrário, só incentivando-a a errar ainda mais, como se as consequências ruins não viessem de seus erros mas dos outros.

Eu e Renato temos atendido muitas mulheres inteligentes, bem sucedidas, e solteiras, tanto por e-mail como pessoalmente e toda vez é a mesma história…

Eu não sei o que fazer para ser feliz na vida amorosa. Eu conquisto em todas as outras áreas, mas por alguma razão, essa parte da minha vida é um incógnita.

Interessante que todas tem duas coisas em comum:

Elas priorizaram a carreira e quando se deram conta, estavam na idade do ‘ta’ (trinta e quarenta).
Elas cresceram ouvindo a mãe dizer que elas nunca deveriam depender de homem.

Se todas tem essas duas coisas em comum, logo entendemos que essas duas coisas estão de alguma forma equivocadas embora que os homens possam fazer a mesma coisa e não sofrer como elas. Eu sei, eu sei, super injusto isso. Por um lado queremos conquistar como eles, por outro temos várias desvantagens que acabam nos atrapalhando em fazer isso.

E o que acontece normalmente? Achamos que se eles conseguiram, porque não conseguiremos também?

Só que tem um problema com essa pergunta. Já parou para pensar que as coisas são diferentes para a mulher?

Quando a mulher chega na idade do ‘ta’ e ela finalmente já é independente financeiramente, ela procura investir na vida amorosa, só que a maioria dos homens nessa idade, com a mesma independência financeira, muitas vezes está procurando mulheres mais jovens que ela. Então ela opta por homens com menos recursos ou até mais jovens, mas ela cai numa outra cilada… ela tem que ser o homem da casa, fazer todas as decisões, e as vezes até banca-lo.

Além disso, se ela quer ter filhos, ela precisa agir rápido, então ela acaba sentindo uma certa pressão por não ter um marido que possa ser o pai de seus filhos. Com toda a sua independência financeira, um dos pensamentos que mais atormenta é o de ter filhos sem ter um marido, afinal, ou isso ou nada depois.

Sem contar que essa ideologia que suas mães implantaram, de que elas nunca deveriam depender de homens, só atrapalha ainda mais. Elas não querem depender do homem, são independentes, pagam suas contas, tem seus carros, mas ao mesmo tempo, gostariam de ter o cuidado que um marido tem para com a sua esposa… mas como, se elas são totalmente independentes deles?

Elas então vivem essa contradição dentro de si mesmas: gostam de afirmar que não são dependentes mas quem dera se tivessem um marido para cuidar delas.

O que vocês acham desse assunto?

Como ter equilíbrio em ter uma certa independência e ao mesmo tempo deixar um homem cuidar de você?

Cristiane Cardoso

Deixe o seu comentário

Ou preencha o formulário abaixo.

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *