As murmurações da Cris

Continuação do post “A resmungona”

Toda semana, era as mesmas murmurações no dia anterior da gravação…

– Cris, o que você vai fazer agora? murmuracoes_cda

E virando o olho e suspirando profundamente, eu dizia:

– O roteiro do programa.

E toda semana, depois da gravação, eu ia para casa exausta, como se estivesse carregando uma tonelada de chumbo nas costas. Tudo que eu tinha forças para fazer era tomar um banho bem quente e me deitar. Sem contar que eu comecei a comer muito mais do que eu normalmente comia. Por dentro, era como se eu tivesse dizendo para mim mesma…

Você sacrifica tanto… pelo menos merece o prazer de comer bem.

Engordei 5 kilos depois que cheguei ao Brasil. E isso só me atrapalhava, já que minhas roupas não davam mais em mim. As meninas que compraram no bazar do Templo é que estão aproveitando agora 🙂

Um dia, em plena gravação, eu errei a mesma frase umas cinco vezes. O Renato, que estava ao meu lado, não aguentou e suspirou com muito impaciência. Aquilo me doeu. Foi só chegar no camarim que fui tirar satisfação…

Você não vê que eu sacrifico tanto para fazer isso? Puxa vida! Não custa nada você ser paciente comigo…

Mas ele ficou quieto. De volta para casa, foi que então decidiu discutir a respeito.

-Por que você não para de reclamar e faz algo a respeito Cristiane?

-Como assim?

-Eu estou cansado de ve-la reclamar. Eu já te falei para agendar com a fono há tanto tempo e você nunca que decide pelo menos marcar um horário.

-Eu não tenho tempo Renato! Eu não consigo nem ter tempo para mim mesma, como é que eu vou fazer tempo para fazer exercícios de fonologia?

-Você faz tempo para murmurar ora essa!

E naquela viagem de volta para casa, eu chorei. Fazia tempo que eu não chorava assim, diante de uma situação difícil. E não era porque não tinha problemas não, na época não sabia onde meu filho estava, ele tinha saído de casa e arrumado amizades em gangues. Mesmo assim, mantinha a minha fé, a minha força. O que eu não entendia era porque agora estava me desmanchando diante de uma situação tão pequena.

Foi quando reconheci o quanto as minhas murmurações estavam me fazendo mal. Depois desse dia, eu nunca mais reclamei em fazer programas de TV. E para me ajudar nessa decisão, toda vez que aquela pergunta do início do post era feita para mim, eu respondia batendo palmas e com um sorriso nos lábios:

– UHUUUUU, vou trabalhar no programa!

Fiz exercícios de fono e consegui superar minha dificuldade, não só na fala como na maneira de me enxergar, finalmente assumir que sou uma apresentadora de TV também 🙂

No entanto, até hoje tenho que me policiar. Eu venci as murmurações quanto ao programa, mas muitas outras situações difíceis se levantam todos os dias…

As murmurações determinam a nossa fraqueza diante do problema. É como se usar a fé contra nós mesmas.

Cristiane Cardoso

Deixe o seu comentário

Ou preencha o formulário abaixo.

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *