Como sou escravo se sou de Deus

Como sou escrava, se sou filha de Deus?” É a pergunta que talvez tenha em mente. “Eu sou uma esposa de pastor, uma obreira, dizimista, evangelista, eu faço parte do Grupo Jovem; sou um líder… E ainda sou escrava e devo libertar-me?! Conhecerei a verdade e a verdade me libertará?! Isso é para pessoas que estão em fase de libertação. Não para mim! Já tenho o Espírito Santo, tive um encontro com Deus; estou em um processo e o Espírito Santo vai descer, etc., etc.”

Talvez seja uma pessoa que se apoie naquilo que já conquistou até agora. Mas, literalmente, é uma escrava!

Vamos saber porquê?

“Responderam-lhe: Somos descendência de Abraão e jamais fomos escravos de alguém; como dizes tu: Sereis livres? Replicou-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo: todo o que comete pecado é escravo do pecado. O escravo não fica sempre na casa; o filho, sim, para sempre. Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres. Bem sei que sois descendência de Abraão; contudo, procurais matar-me, porque a minha palavra não está em vós.Eu falo das coisas que vi junto de meu Pai; vós, porém, fazeis o que vistes em vosso pai.” (Jo.8:33-38)

É muito forte e explícito o que o Senhor Jesus diz!

Mas quando é que eu não creio, não ouço e não me submeto à voz de Deus? Quando não estamos sensíveis ou à procura de servi-Lo melhor, na realidade, sentimo-nos “atacadas”. O Senhor Jesus não estava a “atacar”, mas a dizer a verdade!

Os judeus que pertenciam à descendência de Abraão, assemelham-se a muitas pessoas, hoje em dia, as quais se apoiam em um título, como esposa de bispo, de pastor, obreira há muitos anos, ou na Igreja há tanto tempo… Se está a companhar os audios, lembra-se que, na sexta-feira, falámos sobre o verdadeiro discípulo, o qual permanece na Palavra do Senhor Jesus. Se não permanecemos, mesmo eu, sendo filha do bispo Macedo e esposa do bispo Júlio, tendo qualquer posição, jamais serei livre, mas colocar-me-ei como escrava.

A ideia que o Senhor Jesus quer transmitir é a de que seja livre! Se algo a tem feito cativa, se vive sujeita a uma situação que não consegue mudar, então está a ser escrava. Não está a permitir que a Palavra de Deus permaneça em si. E tem algo de errado, sim! Não pare de ler!! Preste atenção, não se sinta ofendida, mas resolva a questão que está dentro de si pois foi assim que eu tive de resolver a minha! Tive que me libertar porque, muitas vezes, encontramos coisas dentro de nós que não são agradáveis a Deus.

“Em verdade, em verdade vos digo: todo o que comete pecado é escravo do pecado.”

Se eu sou dependente, se vivo dominada por um sentimento, então eu sou escrava daquilo. E só serei livre, quando permanecer na Palavra de Deus.
Por exemplo, você diz que era ciumenta, e foi livre. Tudo bem. Mas talvez, hoje, tenha orgulho, não admite submeter-se; não quer começar de novo e sujeitar-se a aprender novamente. Então está, literalmente, como uma escrava pois é dominada pelo seu orgulho.

“Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres.”

Reconhece, por exemplo, que aquilo que a domina é o ciúme ou o complexo de inferioridade, quando está entre amigas ou de quem quer que seja. Está a sentir-se assim, porque, no momento em que vive a situação, a Palavra de Deus está apenas na sua consciência. Aliás, às vezes, até a esquece, diante das circunstâncias. Não expulsa o que está a sentir e diz: “Eu não quero sentir isto! Eu seguro-me e permaneço nas palavras do Senhor Jesus, porque, se assim fizer, serei verdadeiramente seu discípulo! Eu vou ser seu discípulo, meu Deus. Não vou deixar esse sentimento maldito, esses maus olhos, o que estou a ver agora, o que me faz mudar de comportamento, de feições, me dominar. Não aceito! Quero viver na tua casa, meu Pai! Quero viver em paz e harmonia consigo”

Existe uma “Guerra” entre si e a Palavra de Deus, a qual quer tomar posse!

Lembra-se, que Deus disse aos Seus servos, que temos que tomar por violência, quer dizer, sermos mais fortes que todos os sentimentos que vêm à tona, e para todos nós. Se realmente quer ser livre de tudo o que a tem aprisionado, como o passado, o trauma, seja o que for, saiba de uma coisa: Tem que fazer a sua parte! Participe Deus da sua “Guerra”, fale com Ele, chore, clame, busque, mas não se coloque como vítima, pois você não o é! Resolva a sua questão, e com uma fé inteligente.

Toda a vez que usa a fé emotiva, torna-se a vítima, a “coitada”, que ninguém entende. Toda a vez que se sente desta forma, está a alimentar o problema dentro de si e vai ser, literalmente, uma escrava! Não vai ser feliz, ter paz, mas viver de circunstâncias. E, se estas não estão a seu favor, vai ser atormentada!

Eu, Viviane, não aceito que viva como uma escrava. Você tem que ser, literalmente, livre!

“Bem sei que sois descendência de Abraão; contudo, procurais matar-me, porque a minha palavra não está em vós.”

Quando procura matar Jesus? Quando ouve a verdade e não se sujeita à mesma, permitindo que o que está dentro de si, prevaleça! E muda as suas feições, revelando que está magoada, machucada pelo que os outros pensam de si, e estraga o seu dia! Ao invés de ser feliz e aproveitar as suas oportunidades, não! Vive dentro dessa “caixa” de sentimentos e fica ali, até um dia, se revoltar e perceber que não é ali que deve estar.

A Palavra de Deus tem que estar em nós, seja quem for! Se não permanecermos na mesma não vamos vencer e vamos tornar-nos escravos. Jamais venceremos as nossas guerras internas. Inclusive, perde-se a salvação, porque se permite ser liderada, dominada pelo sentimento, que é maldito e nos afasta de Deus.

O Senhor Jesus não Se sentia só, justamente porque agradava ao Pai. Você sente-se só e incompreendida, justamente porque permite que as suas razões e sentimentos a liderem. Não permita isso, mas sim que a Palavra de Deus a lave!

“Eu falo das coisas que vi junto de meu Pai; vós, porém, fazeis o que vistes em vosso pai.”

Não permita que o sentimento seja o seu “pai”. Permita que Deus seja o Pai, e a lave!

Resolva o que tem a resolver e não se ofenda com a verdade.

Até quarta-feira. Estaremos de volta. Não perca! Deixe aqui o seu comentário, pois fico muito feliz com o que tem a dizer.

Tags: ,

Deixe o seu comentário

Ou preencha o formulário abaixo.

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *