Em que situação você abandona o mal?

Olá a todos os internautas.

Estamos a falar sobre a fé que garante resultados e que não espera por ninguém!

Falámos na semana passada sobre Moisés, que recusou ser chamado de filho da filha de Faraó e preferiu as consequências de ser maltratado, junto com o seu povo, porque considerou. Lembra-se da consideração dele para com aquilo que era invisível, para com o Deus de Israel?

Minha amiga internauta, hoje vamos dar continuidade a este assunto, no livro de Hebreus 11:27.

“Pela fé, ele abandonou o Egito, não ficando amedrontado com a cólera do rei; antes, permaneceu firme como quem vê aquele que é invisível.”

Hebreus 11:27

Gostaria de lhe perguntar algo: Em que situação abandona o mal? Será que abandonou o passado, o Egito, e tem medo de não casar mais? Tem medo de não ter mais amigas? Tem receio de não encontrar uma pessoa suficientemente boa para si?

Porque no “mundo”, escolheu dentre as pessoas que estavam à sua volta, o mais bonito, aquele que lhe chamou mais a atenção, mas agora, diante de um limite de pessoas dentro da igreja, não vê “diversidade” para que possa escolher. Abandonou o Egito mas tem medo… Então isso não é fé! Deu o passo para sair de lá, e continua a olhar para trás, ainda contempla o “Egito”.

O versículo bíblico, mostra o seguinte:

“…ele abandonou o Egito, não ficando amedrontado com a cólera do rei…”

Hebreus 11:27

A fé faz-nos ser pessoas “violentas”! Não me refiro a “violento” de matar, de se vingar, de pagar o mal com o mal… Não é isso! Faz-nos ficar “violentos”, pois traz uma certeza e ficamos protegidos pela mesma.

“…permaneceu firme como quem vê aquele que é invisível.”

Hebreus 11:27

Ele foi sozinho, abandonou o Egito e foi-se embora, ninguém o acompanhou, nem a sua família e mesmo assim permaneceu firme. Ou seja, houve tribulações, angústias, mas o que aconteceu com Moisés? Permaneceu firme! Firme na crença que existe Deus!

Internauta, quando existe esta crença, você “paga” o preço que for, assume-a diante de Deus, do diabo e das pessoas à sua volta, porque “paga” um alto preço por isso! Moisés sofreu pelas suas decisões, mas Deus não Lhe ficou indiferente.

E eu pergunto-lhe: Será que existe algum medo de ter deixado o Egito? Ou será que ainda contempla as coisas do Egito?
E se é esse o seu caso, de ainda contemplar as coisas do Egito, então existe algo que está mal! Você não está na fé, está na carne! E isto é só uma grande oportunidade, uma “isca” para derrubá-la.

Dentre o povo de Israel que ficava a murmurar e a olhar para o Egito, lembra-se que apenas duas pessoas permaneceram e entraram na Terra Prometida. Porquê? Porque as demais passaram pelas dificuldades mas não ficaram firmes, continuavam a olhar para o Egito. Ou seja, saíram fisicamente de lá, mas não abandonaram as suas vontades, os “prazeres” que o Egito lhes dava. Quiseram trazer para o seu dia a dia, os costumes que antigamente tinham. Já não eram escravos dos Egípcios, mas queriam viver como eles, com os seus deuses, com as suas vontades, a rebeldia e os sentimentos.

Isso é fé? É respeito para com Deus? É assim que se refere a Ele: “Senhor meu Deus e meu pai…”. Diz que Ele é seu pai? Leva a sua oração a Deus, dizendo que Ele é o seu Deus, quando o seu Deus é você!

Quando não abandona o que é errado, quem é o seu Deus?
É você, as suas vontades!

Para ter uma vida nova, ser completa, ter o extraordinário dentro de si, tem que renunciar a sua vontade, deixar de ter “prazer” nas coisas do mal.

E questiona-me o seguinte, talvez: “Como vou deixar de ser assim, Viviane? Eu tenho vontades, realmente gosto das coisas do mundo ou sinto-me tentada por elas…”
Onde está a sua fé? A sua oração? Quando é que vai ser sincera para com Deus? Fale com Ele!
Tem que falar da seguinte forma: “Olha Deus, eu sinto-me tentada. Vou ser sincera, eu gosto do que é errado; gosto de namorar e de me envolver com outra pessoa ao mesmo tempo! Eu gosto desta “farra”, meu Deus! Mas não é justo, e eu não quero viver com isto dentro de mim! E além disso, vivo em conflitos, porque eu sou uma pessoa diante de uns, e diante de outros, sou outra… Eu não quero isso! Não quero viver com o Egito dentro de mim. Quero sair deste Egito! Nego-me a aceitar ser chamada de filho da filha de Faraó, de ter um pedaço do Egito dentro de mim! Não, negativo! Eu recuso-me a ter estas regalias. Eu quero o Senhor porque eu viso a Sua salvação, eu quero ter paz, tranquilidade, ter uma família, quero ser fiel, quero o que é justo! Tudo o que existe dentro de mim é algo injusto, não aceito isso!”

Internauta, quando relata a Deus esta verdade, sabe o que está a fazer? Está considerar as palavras, as ordens e os mandamentos Dele, além das suas vontades. Mas não é só falar! Preste bem atenção: Após a sua oração tem que existir uma decisão, tem haver resultado! E é isso que quero de si! O amor não é “frescura” ou “blá, blá, blá”.
Quando você ama a Deus, faz bem a si mesma, se ama! Agora, quando não O ama, maltrata a sua própria vida, é escrava dos seus próprios sentimentos, vive um inferno!

Minha amiga internauta, abandone o Egito! Seja valente contra o mesmo, e contra aquilo que a tem mantido escrava.
Sabe porque é que muitas vezes as pessoas não saem do Egito? Porque não o odeiam!! Não procuram o que é certo, não amam a justiça, a verdade, sentem-se ofendidas. Sabe porquê? Porque procuram que os outros compreendam a sua injustiça.
Dizem que gostam da “justiça” e pedem que os demais sejam verdadeiros, mas eles mesmos “podem” ser infiéis à vontade, podem enganar, viver de cara “fechada”, ficar aborrecidos, de mal com a vida, mas não os outros!

É hora de você tomar “vergonha na cara”! Como dizem os brasileiros: “Coloque as suas barbas de molho” e resolva-se. Falo desta forma não é porque eu necessito da sua audiência, mas porque eu tive que ser assim comigo, tive que me amar desta forma, e só tinha uma maneira: ser radical. Tem que ser radical consigo mesma! Largue esses sentimentos, arranque-os. Isso só irá acontecer quando raciocinar. Raciocine, “use a sua cabeça”! Pare e pense. Após ler este post, pense na sua situação e tome uma decisão, porque tudo o que eu mais desejo é que tenha vida, e vida com abundância, a vida que Deus me deu. Eu já vivi nesse inferno, gostei e já fiz o que era errado, mas uma vez que eu o abandonei, acabou! Tudo se fez novo! Hoje eu tenho paz, tranquilidade, não tenho preocupações quanto à minha vida porque eu vivo a fé, e continuo a vivê-la e a exercitá-la. Mas para que isso aconteça tem as suas consequências…

Um grande abraço para si. Deixe o seu comentário.

Viviane Freitas

Deixe o seu comentário

Ou preencha o formulário abaixo.

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

1 comentário

Diuliana Alexandrino Responder 17 Julho, 2015 às 13:14

Dona Vivi extremamente forte! Mesmo sendo serva,precisamos nos atentar para essas coisas que nos prendem ao nosso deserto…Obrigada por se dedicar ao blog. Bjs.