Pense no seu futuro

envelhecer_amadurecer

Ninguém deseja envelhecer, mas, quanto mais vivemos, mais podemos amadurecer na fé e aperfeiçoar a nossa Salvação ao fundamentarmos a nossa vida sobre a Palavra.

A maturidade nos ensina a dar importância somente ao que realmente é importante. Assim, a nossa alma fica mais leve e desembaraçada para suportar o peso da cruz, que são as renúncias que a fé impõe.

Outro grande benefício da maturidade é que nossa memória espiritual torna-se mais seletiva, isto é, ao detectarmos que uma determinada lembrança nos faz mal, clicamos com mais facilidade no “botão delete” da nossa mente.

Mas não é sempre que a passagem do tempo faz tão bem assim. Quando volto meus olhos ao passado, mais precisamente à história cristã, tento extrair lições que me ajudem a não cometer os erros que eles cometeram e, dessa forma, possa completar a carreira da fé.

Éfeso foi uma igreja singular, de amor e obras admiráveis. Nessa igreja havia pessoas fiéis, batizadas com o Espírito Santo e muitas demonstrações do poder de Deus. Isso foi fruto do trabalho de excelentes pastores, como Paulo, Timóteo e João. Esses homens eram comprovadamente sinceros, leais e diligentes no trabalho espiritual.

Naquela época, a igreja em Éfeso era uma coluna e uma referência para o mundo cristão. Podemos perceber o cuidado que Paulo dispensou a eles e como era viva a sua espiritualidade. Em contrapartida, quando passamos algumas páginas da Bíblia, vemos a derrocada dessa igreja na carta enviada pelo Senhor Jesus, no livro de Apocalipse, repreendendo-a duramente por causa do seu esfriamento na fé. Isto é, ela mantinha a aparência e as muitas obras, mas o primeiro amor já não existia mais.

Assim, cerca de 40 anos, correspondente a uma geração apenas, foi o tempo suficiente para a espiritualidade de Éfeso ser abandonada nos escombros do tempo. E embora tenha recebido o precioso conselho do Senhor, essa igreja não se arrependeu, por isso desapareceu. Dela, nada restou, senão o exemplo para que possamos aprender: o lugar onde um dia houve uma explosão de fé e evangelismo, hoje praticamente não possui mais cristãos.

Mas tivemos outros grandes exemplos posteriores, como a Europa protestante, o continente onde a Luz do Evangelho tirou a Igreja do Senhor Jesus das trevas. Países como Suíça, Escócia, Holanda e Alemanha tiveram grandes pregadores, eram ricos em literatura e uma doutrina de fé muito correta, mas hoje têm seus habitantes mergulhados no ateísmo.

Quanta tristeza ver as igrejas históricas na Inglaterra, o berço do avivamento, fechando suas portas para se transformarem em bares, danceterias ou museus!

E o que dizer então dos Estados Unidos, o modelo de nação cristã e de valores espirituais, degringolar na apostasia?! Os princípios tão valiosos, que foram o lema dos pioneiros da nação e formaram a Constituição do país, foram solapados pelo liberalismo e secularização dos ensinamentos. Em outras palavras, Igrejas antes fortes, agora caminham trôpegas e reduzidas tentando assimilar tão grandes mudanças.

A responsabilidade de quem conhece o Senhor Jesus e cresce na fé levando outros a conhecê-lO é muito grande, pois junto com ela vem o peso de ser referência para os demais até o fim da vida. Isto é, no mundo espiritual, não basta começar bem na fé, é preciso que termine bem, assim como fez Paulo:

“Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé.”

2 Tm 4.7

Parece contraditório olhar no retrovisor da história cristã para avançarmos, mas vejo isso como algo fundamental. Reparar onde houve o desvio e em que momento a fé foi deixada de lado para não corrermos o risco de cometermos os mesmos erros.

Talvez você possa pensar que essa grande responsabilidade com a Igreja do Senhor Jesus neste mundo não é sua, mas você é mais “responsável” do que possa imaginar. A Igreja é composta por cada membro do Corpo de Cristo que assume sua fé e compromisso em testemunhar a transformação que o Evangelho produz na alma humana. Somos como grandes árvores frondosas e frutíferas. À nossa sombra vêm crescendo outras pequenas árvores, ainda frágeis, as quais podem receber de nós o suporte necessário para o desenvolvimento se continuarmos com saúde espiritual para atendê-las.

No entanto, se você tem vivido enfraquecido espiritualmente e já não tem forças para orar, ler a Bíblia ou sacrificar suas vontades, creio que entrou na trilha do esfriamento e, inevitavelmente, levará muitos outros nesse mesmo caminho.

Se não reagir rápido, você poderá, futuramente, fazer parte das milhões de pessoas desgarradas do Aprisco Divino. Quando nos cuidamos espiritualmente, quando cuidamos para não sujar o coração de quem compartilha a mesma fé que a gente, quando zelamos para manter nosso bom testemunho neste mundo, estamos pensando no futuro da Igreja.

Mas essa preocupação só é compartilhada por quem tem um compromisso genuíno com Aquele que o salvou.

O que temos feito pelo futuro do Evangelho neste mundo?

Colaborou: Núbia Siqueira

Deixe o seu comentário

Ou preencha o formulário abaixo.

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *