Voltando ao Passado – 34ª Parte

vbfbjf800x600Eram tantas coisas acontecendo, que no final foi bem proveitoso para a minha vida espiritual.

Nada e ninguém poderia preencher a saudade que tinha dos meus filhos. Mas foi na ausência deles que fui buscando, de forma sedenta, a Deus.

Foi muito bom este tempo. Procurei ficar com pessoas que me podiam acrescentar. Normalmente as mulheres se perdiam nos seus assuntos com temas que não eram o meu objetivo. Queria muito aprender, queria muito ouvir a voz de Deus. Então fiz algumas escolhas em função da necessidade que “gritava” dentro de mim. Procurava ficar próxima do Júlio, quando ele estava próximo dos pastores, para ouvir coisas edificantes. E eles sempre tinham inspirações, assuntos espirituais sendo abordados. Amava estar entre eles para aprender. E considerava muitíssimo o meu tempo com eles. É claro que ficava próxima, somente quando o Júlio estava perto.

E vou-lhe dizer: Aquilo alimentava a minha necessidade de aprender. Entretanto, com as mulheres, eram poucas as vezes que elas abordavam temas que me ajudavam, pois sabe como nós somos, mulheres, falamos de vários assuntos, mas no fundo, quando não há dor nem necessidade, fala-se de coisas supérfluas.

A minha situação fazia-me olhar o quanto era necessário ter alguém que agisse e vivesse a fé. Como buscava ajuda, ou alguém que me inspirava e me desse ânimo.

Eu era a única mulher entre os pastores. Ficava ali, mesmo que não era convidada, somente para ouvir e aprender das coisas espirituais. Eu não estava nem aí o que pensaria de mim outras mulheres por não está juntamente delas. O meu tempo era uma oportunidade de trazer a existência aquilo que eu buscava incessantemente. E eu tinha que assumir isso diante de mim e dos demais.

No momento da dor, sentimos só. E na verdade, é que estamos só mesmo. Só que quando estamos sem dor, não vigiamos ou não estamos a caça de algo maior. Deixamos passar as nossas oportunidades.

Naquele tempo de dor, havia grande oportunidade de alguém fazer história na minha vida, mas infelizmente não havia ninguém sequer. Todas as pessoas estavam vivendo suas vidas.

Aquilo parecia um filme que eu estava assistindo também. Por mais que vivia a dor também conseguia visualizar o papel de como uma mulher de Deus deveria fazer.

Isso é muito importante vocês guardarem, porque isso fará parte da minha jornada de fé lá na frente. E vocês vão entender muita coisa porque passei por tudo que passei.

Deixe o seu comentário

Ou preencha o formulário abaixo.

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *