Voltando ao Passado – 38ª Parte

voltando-passado-38

A fé nos impulsiona, não nos faz comparar, nem olhar para quem faz ou para quem não faz.

Ela é uma certeza que lhe traz paz e convicção de coisas que se esperam. Assim estava eu na minha fé. Fortalecida! A experiência de vida nos ensina a viver a fé, da qual normalmente só temos consciência. Ela passa da consciência, para a vida.

E sabe uma outra coisa que também revela a fé viva e inteligente movida por esta certeza? É o fato de você não reclamar. É ver oportunidade e se alegrar com aquilo que Deus lhe tem dado.

Um exemplo disso, acontecia muito na Califórnia. Antes de toda essa dor ter acontecido, eu reclamava de onde eu morava, que tudo era distante, etc.

Vou explicar o quão grave é a reclamação.

Eu, que estou no Altar de Deus, não tenho opção de escolha de nada. Tenho que me submeter a tudo o que é dirigido pela direção da igreja, mesmo sendo filha do Bispo Macedo. Pois afinal, eu estou na condição de servir e não de ser servida.

Mas as minhas murmurações, nos meus pensamentos ou até mesmo pronunciadas, eram uma forma de não respeitar a Obra de Deus. Em outras palavras, no meu exterior eu “aceitava” porque vivia, mas no fundo, no meu interior, eu não aceitava aquela situação, me dando ao “luxo” de poder escolher e também ditar a minha vontade.

Na realidade, Deus permite situações que não entendemos justamente para trabalhar em nós. Em outras palavras, Ele nos chama para O servir, sem nenhuma condição, mesmo cheios de falhas, para investir em nós.

E para Ele investir em nós, precisamos aprender as coisas pelos sofrimentos que vivemos. Ele trabalha com exclusividade em nós. Lindo, não é?

Pois é, Deus trabalhava em mim enquanto pensava que eu servia a Ele.

Depois das dores, das lutas, a minha fé se tornou mais sólida. Mais definida, mais ousada.

Não é porque você se torna melhor do que os demais, mas porque exercita a sua crença, esta a eleva o outro nível de fé, de experiência com Deus.

Logo após essa fé viva, o Júlio foi consagrado a bispo, em Abril de 1999. E juntamente nesse período, fomos enviados a uma missão diferente, o Júlio ficou responsável pelo trabalho em inglês em Nova York.

Deixe o seu comentário

Ou preencha o formulário abaixo.

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *