Voltando ao Passado – 50ª Parte

Volt.Pass.50

Após ter sacrificado no Altar, a vida que antes estava vivendo, angustiada e pesada, passou a ser leve e prazerosa.

Tudo começou a ser mais do que especial. As minhas idas às reuniões… enfim, as coisas começaram a ter uma graça maior.

O fato de sacrificarmos, ensina-nos também a reparar em nós mesmos. E então percebi que na igreja, eu estava abafando a minha própria fé. Aquela Viviane ousada, transparente, agora se encontrava anulada, por conta das perdas que me fizeram olhar apenas para as minhas dores.

E na verdade, quando repara apenas nas suas dores e não exercita a fé, que é a obediência, então a força que antes fazia parte de você, fica escondida atrás dos sentimentos que estão reinando no seu interior. E foi isso que os sentimentos fizeram comigo, no tempo em que eu estava preservando os meus direitos de escolha.

Quando cedi o meu direito, entreguei, então ficou mais fácil de perceber os sinais que estavam agindo na minha vida e que estavam ofuscando os meus olhos.

Então vi que na igreja, não tinha mais palavras de fé e não tinha nada para dar. E lembro-me que até os poucos membros que existiam naquela igreja pequena, eu tinha receio de orientar e atender. Apenas pegava as informações das pessoas pela primeira vez, para ter contato com elas. Mas nada além disso.

Porém, após a minha entrega naquele dia, eu passei a ver nitidamente a prioridade do momento, que era a frieza na minha vida espiritual.

Deus, quando mostra algo, Ele diz uma palavra, mas aquela palavra abrange tantas outras áreas… E logo após, comecei então a exercitar a fé. Já não era mais um peso fazê-lo, porque o sacrifício traz força e ideias para renovar o que está à sua volta.

A igreja começou a crescer; os membros do grupo jovem passaram a desejar um maior compromisso com Deus, e dali se formaram discípulos, que na maioria eram homens.

Já havia mais pastores e o trabalho começou a existir! Abriram-se núcleos que se formaram em igrejas. Passámos a alugar um local maior para a sede, e dali iniciou a nova fase para mim.

Comecei a ter ideias que me fizeram desafiar a mim mesma; já não havia aquela insegurança que vivia comigo constantemente, como quando estava vivendo as minhas dores.

Comecei a trabalhar com meninas jovens, a fazer uma reuniãozinha com elas. Comecei a entregar-me na igreja, para o povo, como já há muito tempo não fazia.

Nasceu esta força que só o poder do sacrifício pode trazer!
O sacrifício é entrega;
O sacrifício é desprendimento do que lhe pesa;
O sacrifício faz você descobrir o Reino que deve viver aqui na terra.

Deixe o seu comentário

Ou preencha o formulário abaixo.

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *