Notícia

36 anos

36anosiurd

No dia 09 de julho de 1977 nascia um movimento de Fé que iria revolucionar o Mundo, uma vez que milhões de pessoas passaram a apreender que, afinal, não nasceram para sofrer e que o sofrimento não era karma ou uma cruz que cada um tinha de carregar. Têm sido 36 anos a causar muitos incómodos aos interesses instalados na religião tradicional ou nas doutrinas das seitas que foram criadas apenas para aproveitamento do sofrimento das pessoas. Por isso, existe tanta perseguição contra a IURD, uma vez que esta tem contribuído para transformar milhões de vidas. Muitas pessoas que estavam numa situação miserável a dormir na rua, outras que viviam às custas do Estado, através de subsídios, e que passaram a usufruir de uma vida completamente transformada, são hoje pessoas que geram empregos.

Ora esta situação não tem agradado a alguns líderes religiosos, uma vez que estes beneficiam com o sofrimento alheio, pois gostam que as pessoas vivam na sua dependência. E uma coisa que tem sido ponto de honra para a IURD é libertar as pessoas dos dogmas e das amarras religiosas, tornando-as livres, algo que incomoda muitas pessoas e religiosos. Estes 36 anos foram feitos de muitas lutas e alegrias. Em Portugal, o Centro de Ajuda tem envidado todos os esforços para proporcionar ao povo português as melhores condições para buscarem a transformação de vida, tal como nos mais de 175 países onde a IURD está instalada. Mas ainda existe muito por fazer, pois existem muitas pessoas que necessitam de ter a sua vida transformada.

Quero neste espaço agradecer ao senhor bispo Edir Macedo, por ter permitido ser usado por Deus para dar início a este movimento de Fé, pois se não fosse este trabalho sério, verdadeiro e prático, muitos de nós não teríamos tido oportunidade de aprender a usar a Fé e ver os seus benefícios. Quero ainda desejar que venham muitos mais anos, ao longo dos quais muitos milhões de pessoas possam ter também a oportunidade de conhecer este maravilhoso trabalho e assim verem a suas vidas transformadas, tal como as que nós relatamos semanalmente neste jornal.

João Filipe
Diretor – Folha de Portugal

Deixe o seu comentário

Ou preencha o formulário abaixo.

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *