Notícia

Bombeiros vs fogo

bombeiros

Todos os anos em Portugal, no verão, vivemos os dramas dos incêndios, devido às altas temperaturas, mas esta variável é difícil de controlar, uma vez que nesta estação do ano o calor costuma ser muito intenso e não se pode controlar a humidade do ar, nem o vento ou a Natureza.

Desde 2003, o mais catastrófico a nível de incêndios, todos os anos é o mesmo flagelo. Também desde esse ano que Portugal recebe ajuda dos países europeus, França, Alemanha, Itália, Grécia e Espanha, com aviões de combate aos incêndios. Ora aqui surge uma dúvida: porquê investir em submarinos e não investir em aviões que pudessem fazer frente a este problema?!?

Os incêndios são situações muito complicadas, pois, muitas vezes, os bombeiros sentem-se completamente impotentes diante das dificuldades que encontram no teatro de operações. As condições materiais não são as melhores, já para não dizer péssimas em alguns quartéis do país, no entanto, penso que o pior problema consiste mais no facto de não existirem boas acessibilidades no terreno. Os bombeiros têm um trabalho muito meritório, pois arriscam a própria vida para salvar as vidas de pessoas que não conhecem, deixando, muitas vezes, os seus próprios familiares e entes queridos à mercê dos mesmos problemas.

Quero aqui deixar uma palavra de solidariedade para com esta classe profissional, pois mesmo que sejam chamados de voluntários, pode-se dizer que contribuem muito mais para o bem-estar da população do que muitos outros que por aí andam, mas quase nunca são recompensados, nem reconhecidos. As populações que enfrentam o flagelo dos incêndios perto das suas habitações vivem momentos de sofrimento, pois, muitas vezes, perdem tudo, todo o trabalho de uma vida num piscar de olhos, assistindo à tragédia de forma impotente.

Este verão mais bombeiros têm sido vítimas no combate ao fogo, muitos deles de fogo posto. São filhos que se veem privados dos pais, famílias que ficam marcadas para toda a vida… por isso, quero aqui deixar um cumprimento especial para as famílias que vivem estas situações. Já aos que causam estes problemas, a justiça teria de ter a mão bem mais pesada para com eles .

João Filipe
Diretor – Folha de Portugal

Deixe o seu comentário

Ou preencha o formulário abaixo.

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *