Envelhecer é melhor com os netos

14% dos avós toma conta dos netosVOVO

A relação dos idosos com os netos é a que mais contribui para que envelheçam de uma forma saudável, mais do que com os filhos ou os cônjuges

A investigadora Sofia von Humboldt desenvolveu um conjunto de estudos com o objetivo de avaliar os fatores que os idosos consideram como mais importantes para um “ajustamento positivo ao seu processo de envelhecimento”.

Os estudos, que envolveram duas amostras com 1.270 e 1.291 idosos com mais de 75 anos, revelaram que a importância dada à interação com os netos é “significativamente superior” em relação à que têm com os filhos e com os cônjuges.

“Estávamos à espera que fossem os filhos e os cônjuges a terem um peso mais significativo, mas o que verificámos foi que para os entrevistados os netos são mais importantes para envelhecerem melhor e de uma forma saudável”, disse à agência Lusa a investigadora da Unidade de Investigação de Psicologia e Saúde do ISPA – Instituto Universitário.

A investigadora acredita que os idosos valorizaram não o facto de estarem ocupados, mas sim as relações que mantém com os netos do ponto de vista emocional.

“Isto acontece numa fase da vida em que os idosos procuram relações, não em quantidade ou diversidade, mas em profundidade do ponto de vista afetivo e sócio-emocional”, sendo que os “netos conseguem contribuir para isso”, explica.

O estudo indica ainda que os netos fornecem uma importante rede de apoio, comunicação e assistência, em particular quando a saúde e mobilidade dos idosos diminui.

Quando os idosos chegam a uma idade mais avançada centram-se, muitas vezes, nas doenças, na dor ou na incapacidade física.
O poderem pegar ao colo os netos, dar um abraço ou um beijo faz com que tenham “um contacto físico muito natural e que não vem carregado com nenhum simbolismo associado à doença”.

O papel dos avósAVOS
O estudo “A prestação de cuidados pelos avós na Europa”, financiado pela Fundação Calouste Gulbenkian, compara as políticas familiares e a sua influência no papel dos avós, enquanto prestadores de cuidados infantis em vários países europeus.

Mais de 40 por cento dos avós dos países analisados, prestam cuidados aos netos sem a presença dos pais, sendo os países do sul da Europa (Portugal, Espanha, Itália e Roménia) os que apresentam uma maior percentagem de avós a cuidarem dos netos diariamente.

“Em Portugal, Espanha, Itália e Roménia, onde as prestações sociais pagas aos pais e às mães que ficam em casa são limitadas e onde há pouca oferta de estruturas formais de acolhimento de crianças e poucas oportunidades das mães trabalharem a tempo parcial, os avós asseguram uma grande parte dos cuidados intensivos prestados aos seus netos”, sublinha o documento.

A percentagem de avós que presta cuidados frequentes aos netos varia entre os 30 por cento na Roménia, os 22 em Itália e os 14 em Portugal.

DESTAQUE:
Os netos fornecem uma importante rede de apoio, comunicação e assistência

LEGENDA:
Os avós asseguram grande parte dos cuidados prestados aos netos e, mais tarde, são os netos a fornecer uma importante rede de apoio

JOANA MARQUES

jo.r@folhadeportugal.pt

Deixe o seu comentário

Ou preencha o formulário abaixo.

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *