Notícia

Ainda não chegou. Porque será?

Internacional, Nacional, Notícias |
dom

Quem é que já fez muitos pedidos a Deus que ainda não foram respondidos? E porque será? O que está a faltar? Autoridade, libertação, revolta e entrega para Deus

“Uma coisa é você ser fiel quando as coisas estão bem, mas provamos a nossa fidelidade quando as coisas estão mal. Não temos que esperar que as coisas fiquem bem para ser fiel a Deus! Nós somos fiéis a Deus e nos tornamos fieis a Ele para que as coisas fiquem bem”, afirmou o pastor Rodrigo Silva no início da reunião das 9h30, na Sede Internacional da Europa do Centro de Ajuda, em Chelas, no passado domingo (dia 04), garantindo que Deus jamais deixará de abençoar o ser humano.
Quem é que já fez muitos pedidos a Deus que ainda não foram respondidos? Porque será que a resposta ainda não veio? Porque será que você ainda não alcançou aquilo que quer alcançar? Porque será que ainda não chegou aquilo que você quer que chegue? Sendo que é da vontade de Deus e vai glorificá-Lo, mas ainda não chegou. Porque será?
“Você é dizimista, ofertante, já teve outras respostas, mas aquelas que você está à espera ainda não chegaram. Porquê? Possivelmente se soube a resposta a esta pergunta, já estaria resolvido o seu problema. Mas se fizer o que este homem da Bíblia fez, tudo o que está há muito tempo à espera, vai acontecer”, afirmou o orador.

Livramento
“E muito se maravilhavam da sua doutrina, porque a sua palavra era com autoridade” (Lucas 4.32). As pessoas maravilham-se da doutrina de Jesus não porque era uma palavra bonita, ou porque falava eloquentemente, ou explicava as coisas nos mínimos detalhes, mas porque a Sua palavra tinha autoridade. Quando falava, acontecia!
“Quando uma pessoa tem autoridade, o que diz ninguém pode dizer o contrário, essa é a marca da sua autoridade. Venha o que vier aquela palavra tem que se tornar uma realidade. Se vem falando, pedindo, buscando e não tem acontecido, está a faltar em si essa autoridade. E não estou a compará-los com Jesus, o que quero dizer é que, assim como Jesus tinha autoridade, nós também podemos ter. E quando se tem autoridade não precisamos dizer muito, dissemos e acontece! Por exemplo, quando a polícia manda parar um carro, precisa falar duas vezes? Se o médico o mandar parar de comer determinados alimentos em prol da sua saúde, vai respeitar? Se não respeitar quem perde é você! Contudo, se você não tem essa autoridade, falta libertação. Não houve ainda a libertação na sua vida, não houve livramento. Ainda existem coisas dentro de si que o/a impede de receber essa autoridade”, conscientizou o orador a todos. E continuando afirmou: “Se você crê num Deus Grande, não pode aceitar uma vida pequena!”.

A diferença
“Achava-se na sinagoga um homem possesso de um espírito de demónio imundo…” (Lucas 4.33). É aceitável uma pessoa estar na igreja com um demónio? Este homem estava dentro da sinagoga, da igreja, mas o que o possuía não era o Espírito de Deus, não era paz, equilíbrio, força. O que o possuía era franqueza, tristeza, doença, desânimo. E o que tem possuído a sua vida, os seus pensamentos, o seu espírito?
“Quando uma pessoa está fora da igreja e tem um demónio, aconselhamos a vir ao Centro de Ajuda. Mas quando a pessoa já está na igreja e não se liberta, o que fazer? Essa é a nossa revolta! E inaceitável que o diabo venha a possuir o seu casamento, a sua vida financeira, a sua cabeça, qualquer que seja a área da sua vida. Você tem que ser um exemplo de vida para os outros, é o mínimo que Deus espera de mim e de si. As pessoas que convivem consigo têm que ver, sem que precise dizer que, na sua vida existe uma diferença – nas atitudes, no comportamento, na forma de falar, agir, pensar, na hora de tomar decisões, na sua reação diante dos problemas. A sua voz tem que prevalecer e não a do diabo. Mas para isso acontecer tem que existir em si uma revolta contra o mal, tem que entregar de verdade a sua vida para Deus e viver uma vida com Ele”, concluiu o orador.

Deixe o seu comentário

Ou preencha o formulário abaixo.

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *