Notícia

Centro de Ajuda na Irlanda

Internacional, Notícias |

Há 9 anos no país onde consumir bebida alcoólica é uma forte tradição, Universal apresenta um Deus que soluciona os problemas de uma vez por todas

mat_1433

Na Irlanda, comemoração sem bebida alcóolica é algo raro. Até mesmo em festas religiosas a tradição é beber até não aguentar mais. Porém, tal costume está trazendo preocupação ao governo pelos danos causados aos beberrões e à sociedade como um todo. Para se ter uma ideia, dados da organização irlandesa “Alcohol Action Ireland”, ligada ao Ministério da Saúde do país, apontam que, em 2012, cada irlandês maior de 15 anos consumiu, em média, 11,68 litros de álcool puro, frente aos 10,7 litros dos outros europeus. Aliado a esse número, no mesmo ano, houve na capital, Dublin, um aumento de 30% nas ocorrências noturnas de emergências relacionadas ao uso de álcool.

mat2_1239

Além das datas comemorativas, problemas familiares e conflitos existenciais também fazem com que muitos abusem de bebidas fortes e, em alguns casos, tornem-se dependentes dela. Foi o que aconteceu com a estudante irlandesa Leanne Nolan, de 20 anos, que, para preencher o vazio que sentia dentro dela, se entregou aos vícios. “Eu não tinha motivação para fazer as coisas, nem mesmo para viver. Então, comecei a fumar e a beber para esquecer meus problemas. Eu tentava explicar o vazio que havia dentro de mim para terapeutas, mas, ao sair das consultas, tudo era a mesma coisa, não havia quem me entendesse. Era como se eu vivesse na escuridão. Não via uma luz no fim do túnel”, lembra.

mat3_490

Mas essa luz tão desejada brilhou para Leanne e veio por meio dos voluntários da Universal, que atuam no país há 9 anos, levando esperança aos que se encontram sem motivação para viver. “Eu tinha finalmente encontrado as pessoas que entendiam o que eu estava passando e acreditaram em mim. Participando das reuniões, em um curto período de tempo, o meu médico disse que eu não precisava tomar mais os antidepressivos. Deus fez uma transformação completa no meu interior, na minha vida, e hoje eu posso dizer que quero viver a cada dia para servir a esse Deus tão maravilhoso”, comemora.

mat6_59

Esse e outros depoimentos semelhantes, que são contados diariamente nos três templos da Universal na Irlanda, são o combustível que faz o pastor Guilherme Munhoz, atual responsável evangelístico da região, ao lado de seus companheiros de fé, seguir com maior velocidade em direção aos sofridos, sem se importar com as adversidades que surgem nesse percurso. “Trata-se de um país com grande número de católicos. Muitas vezes temos que lidar com uma enorme soberba, tanto na forma espiritual como cultural de alguns. Chegamos a ser tratados como pessoas inferiores. Já sofremos diversos ataques verbais e até físicos”, revela o pastor.

mat4_195

Diferentemente de países como o Brasil, onde a propagação do Evangelho se dá também pelo uso de mídias, na Irlanda esse processo ainda tem sido restrito, mas esse entrave provisório não impede de a Palavra de Deus ser anunciada nos modos tradicionais. “A força da Universal aqui tem sido os seus próprios membros, que de porta em porta, um a um, têm promovido a ação da Igreja.”

Ações essas que vão além do campo espiritual, se estendem também ao âmbito social e cultural. Um bom exemplo é o incentivo dado aos jovens pelo Youth Power Group (Força Jovem), que descobrem seus talentos artísticos por meio de apresentação de peças teatrais e grupos de danças. As mulheres que sofrem violência física e abusos sexuais também são assistidas pelo Sisterhood, que promove passeatas com o objetivo de conscientizar sobre a gravidade do tema e oferecer apoio psicológico às vítimas.

mat5_113

Assim como em todos os outros países em que atua, a finalidade da Universal na Irlanda não é levar a cultura brasileira para lá ou fazer com que as pessoas mudem de religião, mas mostrar que existe uma opção de vida que se chama Jesus, e com Ele elas não precisam se acostumar a viver com os problemas, mas a vencê-los, usando a fé que trás resultados. “Em quase tudo temos que nos adaptar ao país, seja na cultura, no clima, na língua. Porém, a nossa essência é o Espírito Santo que recebemos, e Ele prevalece, para que então um povo nascido de Deus surja”, finaliza o pastor Guilherme.

Deixe o seu comentário

Ou preencha o formulário abaixo.

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *