Notícia

Eles se conheceram em um abrigo durante a 2ª Guerra Mundial

Internacional |

97b6eeaa2c926b4d2eaa492c1b0b3124.690x460Durante a 2ª Guerra Mundial, Josephine, aos 16 anos, estava no cinema quando sirenes de alerta começaram a tocar. Nesse momento, ela foi instruída a procurar um abrigo para a sua segurança. E foi no esconderijo que ela conheceu John, então com 18 anos.

O que ela não sabia é que eles se casariam pouco tempo depois. “Nós conversamos muito e logo começamos a namorar. Dois anos depois, estávamos casados”, relembra.
Atualmente, John está com 96 anos e Josephine com 94. Eles comemoraram 75 anos de união. “Eu acho maravilhoso que eles estejam casados por tanto tempo. A família toda se mantém unida”, diz um dos dois filhos do casal, Norman, de 72 anos.

Sucesso conjugal

Um casamento feliz não é fruto da sorte. Ainda que o encontro de John e Josephine tenha se dado por acaso, a felicidade, com certeza, foi resultado de muito esforço e sacrifício. A escritora Cristiane Cardoso acrescenta que o relacionamento entre homem e mulher é uma representação do relacionamento com Deus e lista 7 coisas necessárias para um casamento feliz e duradouro (tanto com o cônjuge como com Deus):

Sacrifício: Muitas vezes precisamos sacrificar as nossas próprias vontades para fazer um relacionamento dar certo. E temos que fazer o mesmo para ter um relacionamento bem-sucedido com Deus. Se você não está disposto a renunciar, então não está disposto a se relacionar com quem quer que seja. O sacrifício não é para benefício de um ou de outro, mas para benefício da união em si.

Confiança: Um relacionamento não se inicia nem sobrevive sem confiança. Não há como se relacionar com Deus duvidando do Seu caráter e do cumprimento das Suas promessas. Se você quer iniciar e manter um compromisso com Ele, então comece confiando em Sua Palavra, independentemente das circunstâncias.

Respeito: O respeito em um casamento significa reconhecer o espaço e a importância do outro em sua vida e dentro do relacionamento. Você respeita o seu cônjuge, apesar das divergências de opinião, porque reconhece que ele exerce um papel fundamental para a união de vocês – papel esse que você não pode exercer. O homem não sabe fazer o papel da mulher, nem a mulher sabe fazer o do homem. Um precisa das habilidades do outro para crescer como pessoa e ser bem-sucedido em todos os aspectos. Para que Deus faça aquilo que nós não podemos fazer, devemos respeitá-Lo, fazendo dEle a prioridade de nossas vidas e reconhecendo o Seu papel e a Sua importância nelas.

Objetivos em comum: Duas pessoas só permanecerão unidas se tiverem o mesmo objetivo de vida. Logo, apenas poderemos nos manter unidos a Deus se tivermos o mesmo objetivo que Ele tem. Que relacionamento haverá entre você e Deus se Ele estiver lutando por uma coisa e você por outra? Saiba qual é a causa de Deus e lute ao lado dEle. Se vocês não estiverem no mesmo time, então, estarão em times adversários – não há meio-termo.

Diálogo: A falta de diálogo distancia o casal. De forma semelhante, quando deixamos de falar com Deus, estamos nos distanciando dEle. Compartilhe com Deus as suas experiências e dificuldades, mas ouça o que Ele tem a dizer também. Assim, Ele poderá participar da sua vida, guiá-la e ajudar no que for preciso.

Atenção: Em um casamento, o marido deve dar atenção à esposa e vice-versa. Isso significa que, mesmo estando longe do cônjuge, se deve agir considerando a existência dele e do compromisso entre vocês. Paralelamente, o fato de Deus existir também deve implicar o seu comportamento eas suas escolhas. Se sabemos que deveremos prestar contas a Deus em relação às nossas atitudes, então temos que agir de acordo com o que Ele estabelece. Quando está atento ao que Deus precisa e quer de você, você está dando atenção a Ele. Não viva como se Deus não existisse ou não estivesse observando tudo o que você faz se você realmente quer se relacionar com Ele.

Intimidade: A intimidade do casal é muito mais do que um momento. Ela começa nos pequenos gestos de cuidado, apreciação, carinho e respeito. Essas pequenas coisas fazem a intimidade fluir de forma natural. Com Deus é a mesma coisa. Não podemos querer adquirir uma intimidade com Deus de forma forçada ou programada, mas ela flui naturalmente a partir de gestos simples que fazem toda a diferença. Colocar Deus em primeiro lugar nas questões do dia a dia, priorizando o seu relacionamento com Ele acima das suas tarefas e de outras pessoas, é um deles. A intimidade com Ele vem por meio de uma experiência pessoal com a Sua presença – não há nada mais glorioso.

Participe da Terapia do Amor, todas às quintas-feiras e aprenda como ter um relacionamento duradouro.

Às 10h, 15h e 19h30 no CdA do Império ou num CdA próximo de si!

Fonte: Universal.org

Deixe o seu comentário

Ou preencha o formulário abaixo.

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *