Notícia

Filho não aguenta mais sofrer e pede para morrer

Internacional |

Quando uma mãe, ou um pai, ouve o filho pedindo um brinquedo, uma roupa e até mesmo um alimento no qual ela não pode comprar, a dor que sente é imensa, por não poder proporcionar o melhor a quem mais ama.

Agora imagine o que sente uma mãe que vê o filho doente, sem poder curá-lo. E o pior, ainda tem que ouvi-lo pedir para deixá-lo morrer, por não aguentar tanto sofrimento.
Esse é o drama de um menino de cinco anos de idade que sofre de uma inflamação na pele, desde os quatro meses, que o impossibilita de andar e dormir direito (foto acima). De acordo com o site DailyMail, ele sente tanta dor que pediu à mãe, Dana Bishop, a morte. “Foi a pior coisa que já ouvi na minha vida. Nenhuma mãe merece ouvir isso”, desabafou.

Além do eczema, Morgan é alérgico a ovos, soja, nozes, batata e arroz. A mãe afirma que tudo o que ele mais pede é que ela faça a coceira parar. “Ele sempre me pede a cura de aniversário ou de Natal. Isso acaba comigo, porque eu sei que é um desejo que eu não tenho como realizar”, diz.

A cura pela fé

O que a mãe do garoto parece não saber é que, se para a medicina existem limitações, para o Deus Todo-Poderoso, não. O presente que Morgan tanto deseja está à disposição dele, desde que o Senhor Jesus levou na cruz todas as doenças e sofrimentos da humanidade, como diz a Bíblia:

“Verdadeiramente Ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus, e oprimido.

Mas Ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e moído por causa das nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre Ele, e pelas Suas pisaduras fomos sarados.” ( Isaías 53- 4.5)

Uma vez a pessoa crendo nessa Palavra e exercitando a fé, não há doenças ou problemas que permaneçam.

Participe todas às terças-feira da reunião da Saúde Restaurada e seja curado dessa doença que o tem afligido há tanto tempo, numa Universal mais perto de si. Veja aqui as moradas

Fonte: Universal.org

Deixe o seu comentário

Ou preencha o formulário abaixo.

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *