Notícia

Juntos, eles percorreram o mundo

Internacional, Notícias |
bp-aroldo.690x460

Do Zimbábue à Rússia, o bispo Josef Aroldo Martins, de 53 anos, e sua esposa, Meri Jane, de 49 anos, têm história para contar.

Neste ano, comemoram 30 anos de casados, 24 deles fora do Brasil, e 11 países diferentes percorridos, sendo que, em muitos deles, abriram o trabalho da Universal: Estados Unidos, África do Sul, Zimbábue, Honduras, Rússia, Finlândia, Irlanda, Inglaterra, Portugal, Brasil e Israel. Atualmente, vivem em Israel, onde a Universal inaugurou recentemente uma nova sede, em Tel Aviv. Em entrevista exclusiva, eles contam detalhes de sua infância, de sua conversão e de como é morar no Oriente Médio em tempos de conflito e de paz. Confira.

Como foi a infância de vocês?

Ele: A minha infância foi muito conturbada, minha mãe era uma pessoa nervosa. Ela tinha uma psicose e acreditava que queriam o mal dos filhos dela. Somos dois filhos: eu e meu irmão quatro anos mais novo do que eu. A relação com o meu pai era muito ruim. Ele era uma pessoa muito dura e fechada e começou a se viciar em corridas de cavalo. Isso o levou à falência, fomos despejados de casa por causa das dívidas e ele foi embora de casa. Mudamos para o Ceará e meus pais voltaram a viver juntos. Quando entrei na adolescência, comecei a me envolver com más amizades, a usar drogas e a misturar bebidas e remédios. Quando eu estava sob o efeito da droga, me sentia bem, mas, depois que ele passava, vinha a depressão, a angústia, os problemas existenciais e o desejo de suicídio.

Ela: A minha infância foi marcada por um acidente. Quando tinha 4 anos de idade, durante uma obra na nossa casa, o piche que estava sendo passado na laje caiu em cima de mim, fiquei internada e quase morri. Fiquei com 45% do meu corpo queimado e toda marcada. Meus pais viviam juntos, eu sempre tive tudo, minha mãe sempre me criou de uma maneira que eu não me escondesse das pessoas: eu ia à praia e fazia natação. É claro que as pessoas me olhavam muito e perguntavam o que havia acontecido comigo, mas eu não sentia vergonha. Quando cheguei aos 13 anos, meus pais se separaram e nossa vida mudou bastante. Antes, tínhamos tudo e depois da separação meu pai parou de dar o apoio financeiro que nos dava antes.

Como vocês conheceram a Universal?

familia.690x460Ele: Na época da nossa juventude, minha mãe passou a buscar força no poder da oração. Ela começou a frequentar igrejas de outras denominações com meus tios. Eu também frequentava, mas nada disso impediu que eu passasse por muitos problemas na adolescência. Em 1981, conhecemos a Universal. Morávamos em Fortaleza (CE) e começamos a assistir um programa na televisão apresentado pelo Bispo Macedo chamado O Despertar da Fé. Percebi que o Bispo falava com autoridade sobre o poder da fé, da oração e da transformação. Até que fomos conhecer a Universal em 1982, quando a igreja foi inaugurada em Fortaleza. Logo em seguida, já me entreguei completamente e uma grande transformação aconteceu em minha vida.

Ela: Eu era muito insegura e tímida. Minha mãe soube da Universal e decidiu conhecer o trabalho da igreja e orar pela família. Eu me converti aos 14 anos e aos 16 anos me tornei obreira.

Como nasceu o desejo de servir a Deus no Altar?

Ele: A minha alegria era poder repartir com outras pessoas aquilo que havia acontecido comigo. Então, senti o desejo de servir a Deus e falei que onde Deus me mandasse eu iria.

E, logo após minha conversão, eu já fui chamado para fazer a Obra. Fiquei no Ceará um ano e meio e de lá fui transferido para o Rio de Janeiro, já como pastor.

Ela: Sempre tive o desejo de compartilhar com os outros o que Deus fez comigo. Lembro que, durante uma reunião, o bispo chamou os jovens à frente e fez uma oração pelos que queriam entregar a vida no Altar. Eu me ajoelhei e fiz aquela oração. E o bispo falou: “daqui Deus vai mandar vocês para onde Ele quiser, muitos vão para a África, vão para outros lugares”. Naquele momento, eu confiei naquelas palavras. De lá para cá, aprendemos quatro idiomas e já passamos por 11 países. É o milagre de Deus.

Como se conheceram?

casamento(1).690x460Ele: Quando fui transferido para o Rio de Janeiro, fui trabalhar na igreja de Copacabana e ia fazer um programa na rádio Copacabana, no centro do Rio. Quando cheguei lá e fui me apresentar para o Bispo Macedo, conheci a Meri, que era secretária dele na época. Eu fazia o programa de rádio e a via sempre ali. O Bispo ficou sabendo do interesse de um pelo outro, falou muito bem dela para mim e aprovou nosso namoro. Fui consagrado pastor em 22 de junho de 1985, no mesmo dia do nosso casamento. Passamos a lua de mel em Porto Alegre (RS), Estado onde tive minha primeira responsabilidade como pastor.

Vocês tiveram problemas de adaptação no início do casamento?

Ela: Não tivemos grandes problemas. Temos muitas coisas em comum, os gostos, somos próximos, não tivemos tantos problemas. No começo, eu ficava assustada com a maneira que ele se expressava, talvez por eu ter sido filha única e ele não. Mas Deus revigora as forças e sempre avaliamos nossa relação e o que não está bem, trabalhamos nessas áreas e procuramos sempre melhorar um para o outro.

Vocês têm dois filhos. Eles também fazem a Obra?

Ele: Temos dois filhos, o Rafael, com 27 anos; e a Marina, que fez 18 anos. O Rafael é casado e mora em Portugal. A esposa dele está grávida.A Marina mora conosco. O Rafael trabalha na Universal, ele é master de todos os sites da Europa, faz a Obra de alguma maneira; e a Marina está estudando.

consagracao.690x460

Qual foi o trabalho que mais marcou a trajetória de vocês?

Ela: A Rússia foi um dos lugares mais marcantes pela história do país e pelo tipo de povo. Não falávamos russo e não conhecíamos ninguém. Pousamos em Moscou com um mês de hotel pago e era tudo que tínhamos para iniciar o trabalho.

E como é o trabalho e a experiência de morar em Israel?

Ele: O trabalho em Israel é bem difícil. Essa questão de religião lá é uma das razões da maioria dos conflitos, mas a experiência de pregar o Evangelho aqui é maravilhosa por você estar na Terra Santa, por poder conhecer do ponto de vista judaico e a vida de Jesus.

Ela: É como se antes nós víssemos um Jesus com óculos sujos, que deixa a vista embaçada, e quando você conhece quem era Jesus, o que é ser judeu, e o que é a Palavra de Deus, você vê com os olhos limpos e claros.

Que mensagem o senhor deixa aos leitores?

Ele: Tem uma palavra muito forte que quero compartilhar. O homem não deve se vangloriar dos seus bens, da sua riqueza nem de seu conhecimento, de nada, sua maior glória deve ser conhecer a Deus.

Perfil do casal

rio-jordao.690x460

O que um mais gosta no outro
Ele: a covinha no queixo e nas bochechas quando ela sorri
Ela: a altura dele

Comida favorita
Ele: baião de dois
Ela: caldo verde

Filme favorito
Ele: A Lista de Schindler
Ela: A Lista de Schindler

Momento marcante
Ele: o nascimento do nosso primeiro filho, Rafael
Ela: o nascimento do Rafael

Deixe o seu comentário

Ou preencha o formulário abaixo.

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *