Notícia

Pais abandonam recém-nascida doente porque o tratamento era caro

Internacional |

A pequena Sun Menghan nasceu com uma grave doença no fígado chamada atresia biliar (um problema no fígado que afeta os ductos biliares do recém-nascido).

Por isso, mora no hospital já há 8 meses, desde que veio à luz, e constantemente passa por cirurgias para que sua saúde seja estabilizada. Recentemente ela passou por um transplante de fígado, mas seu organismo rejeitou o órgão doado e outras cirurgias foram necessárias. O mais triste dessa história, porém, é que seus pais a abandonaram para morrer no hospital.

Sun é chinesa, filha de um operário da província de Anhui, no norte da China. O salário desse homem (que não teve o nome divulgado para preservação de sua identidade) é de 2 mil yuans por mês (aproximadamente 900 reais). Sua esposa é dona de casa e já foi diagnosticada com depressão.

A doença da pequena Sun faz com que as vias biliares dela se entupam e inflamem facilmente, prejudicando o funcionamento do fígado e, consequentemente, a saúde de todo seu organismo. Por ser complexa, o tratamento tem um custo maior do que o salário da família poderia pagar. Após três meses tentando fazer com que a menina se tornasse saudável, o casal decidiu abandoná-la no hospital, pois “compensaria mais” ter outro filho do que tentar salvar essa. Felizmente, o avô da menina, um agricultor do interior chinês chamado Sun Sitao, comoveu-se com a situação e partiu em resgate da neta.

De acordo com o jornal britânico Daily Mail, os avós da criança gastaram todas as economias que tinham para pagar o tratamento da neta, mas isso não foi suficiente. Em vez de desistirem da criança, porém, partiram em busca de ajuda e já arrecadaram 500 mil yuans (mais de 230 mil reais). Essas doações foram realizadas por parte da sociedade chinesa, que está empenhada em conseguir os recursos para pagar o tratamento da menina que custará ainda mais do que isso.

Independentemente de quanto dinheiro seja arrecadado até que Sun Menghan possa sair do hospital, uma coisa jamais poderá ser comprada: o amor de seus pais.

Não temas

Infelizmente, o caso de Sun não é o único. Frequentemente os jornais apresentam notícias de pais jogando seus filhos no lixo ou abandonando-os das mais diversas maneiras. Porém, ainda que homem abandone seus próprios filhos, Deus jamais fará o mesmo. É o que está escrito na Bíblia:

“Será que uma mãe pode esquecer do seu bebê que ainda mama e não ter compaixão do filho que gerou? Embora ela possa se esquecer, Eu não me esquecerei de você! Veja, Eu gravei você nas palmas das minhas mãos; seus muros estão sempre diante de Mim.”

Isaías 49:15,16

Obviamente, lidar com a dor da rejeição, ainda mais quando quem nos rejeita é quem deveria nos amar, não é algo fácil. Porém, ficar alimentando o sentimento de comiseração ou mágoa não é o caminho certo. É preciso aprender que podemos condicionar os nossos sentimentos à razão e olhar para frente, pois se você foi rejeitado um dia, saiba que não foi a última vez que isso aconteceu. “Outra coisa da vida que você tem que se acostumar é com a rejeição. Você pode ser a pessoa mais legal, mais competente do planeta, e ainda assim ser rejeitado. O que você não pode fazer é tomar isso como um ataque à sua pessoa”, aconselha Renato Cardoso, em seu blog.
Por isso, em vez de se tornar tímida, amargurada, ressentida, com medo de tentar coisas novas, desconfiada de tudo e todos, por causa de uma rejeição ou de um problema, a melhor reação que você pode ter é sacudir a poeira e ir em frente. “Faça um favor a si mesmo hoje. Perdoe todos aqueles que uma vez lhe rejeitaram ou lhe trataram mal. Diga a si mesmo que o que aconteceu não foi nada, e siga em frente com a sua vida. Não se surpreenda se depois disso você se sentir uma tonelada mais leve”, conclui Renato.

Se você precisa de ajuda para vencer os sentimentos negativos que lhe aprisionam, participe de uma reunião na Universal.

Fonte: Universal.org

Deixe o seu comentário

Ou preencha o formulário abaixo.

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *