Notícia

O pecado da idolatria

Internacional |

26511724391_c9a34ac592_z-690x460O cantor canadense Justin Bieber já abandonou o palco alegando que as fãs estavam gritando muito; da sacada de um hotel cuspiu em fãs que o esperavam na porta; e, recentemente, agrediu com um soco um fã que tentou falar com ele na entrada de um show.

Apesar de tudo isso, ele é um dos artistas mais aclamados no mundo por milhões de adolescentes e adultos. Fãs brasileiros dele, por exemplo, estão acampados desde novembro na porta dos locais em que o jovem cantor vai se apresentar somente no ano que vem, em março e abril. Eles adoram Bieber, independentemente de qualquer atitude dele.

“Cada ser humano tem considerado o seu próprio deus. Em geral, nos esportes, os loucos endeusam os seus ídolos. No mundo da música, outros loucos endeusam os cantores. Enfim, em cada segmento de sucesso há sempre um deus idolatrado pela paixão popular. Cada idólatra tem o seu próprio deus. Como separar o Único e verdadeiro Senhor Deus dos demais?” – questiona o bispo Edir Macedo em texto publicado no blog dele.

Esse tipo de comportamento de uma pessoa, de admirar alguém a ponto de colocá-lo acima de tudo, é uma conduta que desagrada a Deus, pois somente Ele deve ser adorado.

Colocar coisas, animais ou pessoas acima de Deus na sua vida é pecado capital e não tem perdão, salvo se isso for removido do seu coração.

“O maior pecado do ser humano chama-se idolatria. Por isso, o primeiro grande mandamento diz amarás o seu Deus de todo o seu coração, de todo o seu entendimento, com todas as suas forças, e de toda a sua alma. E se você transgredir esse mandamento, está tão condenado ao inferno quanto qualquer bandido”, afirma o bispo.

thinkstockphotos-467439059-690x460Deus invisível

Abraão tornou-se o referencial do Deus Vivo na Terra. Ele creu no Deus invisível com tanta confiança que ofereceu o seu próprio filho, Isaque, para sacrifício.

“A crença abraâmica mudou o sentido de se crer em Deus. O seu relacionamento com o Deus invisível ensina isso. Ao invocarmos o Deus de Abraão, estamos definindo a nossa fé, de forma inteligente, no Senhor que Se revelou a Abraão, fez-lhe promessas e as cumpriu nos mínimos detalhes.”

Abraão ensina que não se deve medir esforços para praticar a fé inteligente, e que é preciso separar a fé da emoção, dos sentimentos do coração.

Não há problema quando elogiamos e gostamos do trabalho de um artista, mas quando adoramos outra pessoa, animal ou coisa acima de Deus, cometemos o pecado da idolatria. Devemos adorar a Deus sobre tudo o que valorizamos na vida, de uma maneira inteligente, refletindo e usando a consciência.

Fonte: universal.org

Deixe o seu comentário

Ou preencha o formulário abaixo.

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *