Notícia

Quando o amor vira crime

Internacional |
173013548.690x460

As tradições de um povo são algo que merece ser preservado. Porém, será que isso também se aplica quando abusos aos direitos humanos são praticados em nome desses antigos costumes?

É um dos casos mostrados recentemente pela British Broadcasting Corporation (BBC) sobre mulheres do Paquistão punidas com rigor de lei pelo crime de… se apaixonarem.

Uma mulher que resolve namorar ou se casar com o homem de quem gosta, mas sem a aprovação da família, pode ser agredida pela família – ou morta, como já aconteceu inúmeras vezes. Casais são separados cruelmente, e muitas vezes as autoridades fazem vista grossa.

No Paquistão, país de tradição muçulmana, a mulher é vista como uma propriedade da família até o momento em que se casa. Os novos “donos” são o marido e seus familiares. Além disso, qualquer “desobediência” é vista como desonra pelo novo clã, o que pode ser punido até com morte. É o que muitos chamam de “crimes de honra”, infelizmente bastante comuns – só em 2014, mais de mil mulheres foram mortas nesse tipo de prática. Uma das vítimas, grávida, foi apedrejada até morrer. E quem apedrejou foi sua própria família, que havia escolhido outro pretendente e não aceitou que a jovem se casasse com o homem que amava. Fica pior: a execução aconteceu em meio a transeuntes, policiais e em frente a um tribunal. Como o caso ganhou repercussão internacional, as autoridades locais acharam por bem punir o pai, o irmão e o pretendente escolhido com a morte.

Porém, muitos outros casos parecidos ficam sem punição, pois os autores dos crimes são protegidos pelas antigas leis tribais machistas – muitos acreditam que a “honra” da família pode ser restituída se a mulher que causou a desonra for morta.

Poucos casais enfrentam as antigas tradições. Prisões para “adúlteras” são realidade. O grande problema é que, muitas vezes, a acusação de “adúltera” é feita a mulheres que fugiram de suas casas por causa de maus tratos ou ameaça à sua segurança por parte dos maridos e familiares dele – ou mesmo as expulsas por eles. Às vezes, são jogadas para fora de seus lares pela simples desconfiança por parte do cônjuge.

A diferença

No meio cristão, é difícil entender a prática paquistanesa por um simples motivo: embora a submissão ao cônjuge como descrita na Bíblia seja recomendada e tenha bons frutos, as mulheres são vistas como seres humanos com livre arbítrio. É permitido – e defendido – que uma mulher se case com o homem que ama (e a respeita, claro), constituindo com ele uma família segundo os preceitos de Deus.

Nesse caso, a união é a livre manifestação da vontade de um casal se unir. É claro que muitos fatores devem ser analisados antes de se unir ao pretendente, sem deixar que a simples emoção daquele momento da vida influencie na decisão.

Todo casal é uma nova família que começa. E todos sabemos a diferença de uma que se inicia com Deus no comando, ao invés de velhas tradições que tratem um ser humano como gado. Esse é só mais um dos motivos que nos fazem pensar no valor que devemos dar à liberdade (com responsabilidade) proporcionada pela crença em Deus por meio do Senhor Jesus.

Deixe o seu comentário

Ou preencha o formulário abaixo.

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *