Notícia

Só mais um gole

Internacional, Nacional, Notícias |

Mesmo com vários problemas, muitas pessoas não deixam o vício do álcool. Conheça histórias de quem superou o problema

vicio.300x200Era só uma brincadeira de amigos. Foi assim que o mineiro Jarbas Quintiliano, de 46 anos, começou a beber em bares quando ainda era um adolescente de 16 anos. No início, o álcool trazia um efeito relaxante e animava as conversas da turma.

No caso de Jocilene Do Rocio Silva, de 43 anos, de Curitiba, o álcool chegou após uma desilusão amorosa. Ela tinha 25 anos quando se separou do primeiro marido. “Saía do trabalho e ia direto para barzinhos. Bebia cerveja para me divertir e esquecer os problemas e a solidão”, relembra ela.

Jarbas e Jocilene achavam que tinham o controle da situação. Mas o álcool começou a modificar a vida deles. “No começo eu dava risada, mas depois ficava bêbada, cheguei a perder os sentidos e tive de ser carregada. No outro dia, vinha uma angústia, uma tristeza, parecia que sempre faltava alguma coisa”, relata Jocilene, que foi dependente de cerveja por 14 anos.

O excesso de álcool atrapalhava as relações familiares de Jarbas. “Quando conheci minha esposa, eu já bebia muito, mas o vício piorou com o tempo. Tomava cerca de um litro de cachaça todos os dias e no fim de semana era pior, chegava a três litros. Eu tinha um estoque em casa”, relembra Jarbas.

A cachaça provocava sensações de euforia e irritação. “Eu ficava muito agressivo. Minha esposa reclamava e nós começávamos a discutir. Cheguei a agredi-la fisicamente”, conta, acrescentando que as filhas, Mariana e Marina, presenciavam tudo. Jarbas teve problemas no trabalho e acredita que a esposa, Rita, desenvolveu depressão por causa das brigas constantes. Mesmo com todos os transtornos, ele permaneceu no ciclo da bebida por 16 anos.

Bebida à vontade

Só mais um gole. É assim que, de copo em copo, o brasileiro está usando cada vez mais bebida alcoólica. O consumo de álcool no Brasil já é superior à média mundial, segundo informe publicado no último dia 12 pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Dados apontam que o consumo médio para indivíduos acima de 15 anos no Brasil é de 8,7 litros por ano por pessoa, enquanto a média mundial é de 6,2 litros.

Em todo o mundo, 3,3 milhões de mortes foram causadas em 2012 pelo uso exagerado do álcool, número maior do que as mortes ligadas ao HIV, à violência e à tuberculose. O quadro alarmante levou Oleg Chestnov, diretor-geral adjunto da OMS, a declarar: “Devemos redobrar nossos esforços para proteger as pessoas das consequências negativas do consumo de álcool para a saúde”.

Diferentemente da cocaína e do crack, que são drogas ilegais, o álcool é liberado para o consumo da população e pode ser encontrado em quase todos os lugares. “A droga lícita, como o álcool, é a pior de todas porque ela está liberada. O álcool provoca acidentes, brigas, destrói famílias e mata tanto quanto as drogas ilegais”, alerta o bispo Rogério Formigoni, responsável pelo trabalho que a Universal desenvolve contra a dependência de álcool e outras drogas.

O próprio Formigoni já foi viciado em álcool, cigarro e drogas como o crack. Hoje, ele usa a experiência para ajudar pessoas que passam pelo mesmo problema. “O dependente promete que não vai mais beber e, no dia seguinte, ele repete tudo de novo. Há uma força maior, ele está dominado pelo vício. Ele precisa estar determinado a mudar”, explica, ressaltando que o apoio de familiares também ajuda nesse momento.

Fé e recuperação

rogerio-formigoni.300x200Formigoni conta que uma das dificuldades no tratamento de dependentes é que eles não costumam admitir que enfrentam um problema. “O dependente não cai em si. Ele diz que não é viciado mesmo quando já perdeu família, amigos, emprego e sonhos”, afirma.

Ele ainda acrescenta que o trabalho de profissionais da saúde é importante na recuperação, mas nada funciona se o doente não quiser sair do alcoolismo. “Todo ser humano já nasce com fé. Na Universal, nós procuramos ensinar ao indivíduo como ele pode aplicar a própria fé para lutar contra o álcool sem desistir”, justifica.

Foi com esse incentivo que Jarbas e Jocilene conseguiram parar de beber. “Percebi que beber não era mais tão divertido, eu tinha ressaca. Decidi parar, comecei a ir menos a bares, não comprava mais cerveja. Mas a vontade de beber continuava. Na Universal, eu pedia forças a Deus e ocupava meu tempo”, revela Jocilene.

Foram dez anos de tentativas até o dia em que Jocilene colocou a última gota de álcool na boca. “Só parei mesmo há quatro anos. Hoje eu gosto de viajar com meu marido, minha saúde melhorou e perdi até o medo de dirigir”, conclui, garantindo que ela e o marido, Luiz Sérgio, estão mais felizes.

Para Jarbas, o incentivo da esposa foi fundamental para a mudança. “Jogamos fora as garrafas de cachaça que havia em casa e comecei a me afastar de amigos que bebiam. Tentei fugir dos lugares em que o álcool estava”, fala. Ele procurou refúgio em reuniões da Universal. “Eu ouvia palavras de incentivo para não beber. Consegui parar em apenas quatro meses. Meu casamento foi restaurado, as brigas acabaram, minhas filhas pararam de sofrer e consegui abrir minha construtora”, finaliza o agora empresário Jarbas.

Jovens ignoram riscos

personagem.300x200Formaturas de faculdade, aniversários, festas e churrasco com os amigos: para boa parte dos brasileiros, esses eventos só ficam completos se tiverem cerveja gelada e vodca à vontade.

Ambientes regados a álcool começaram a fazer parte da vida do jovem Matheus Soares quando ele tinha apenas 18 anos. “Beber era fundamental nas baladas. Comecei com cerveja, depois bebia vodca e uísque também. Todos bebiam e sempre tinha alguém que passava dos limites e brigava. Eu via muitas pessoas vomitando e casais discutindo”, descreve.

“A bebida promete bem- estar e amizades, mas percebi que eu me alimentava mal, ficava com olheiras, não dormia direito. A bebida não caía bem. Decidi cuidar da minha saúde”, diz, justificando a decisão que o fez se afastar do álcool. Hoje, Matheus, de 22 anos, faz faculdade de Educação Física, trabalha em uma academia e gosta de passear com a namorada. “Não preciso mais de nenhuma substância para me divertir, só de boa companhia”, resume.

Deixe o seu comentário

Ou preencha o formulário abaixo.

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *