Notícia

Universal marcha pela paz em Moçambique

Internacional, Notícias |

Mais de 5 mil pessoas se unem para dizer não à guerra no país africano

marcha

A Universal realizou, recentemente, uma marcha em prol da manutenção da paz em Moçambique.

O país está em meio a uma crise política entre a Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO) – partido que está no poder – e a Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO) – partido de oposição e o segundo maior do país.

A tensão instalada por toda a nação tem sido a causa de constantes ameaças de um retorno à uma guerra civil.

mocambique_0

Diante disso, bispos, pastores, obreiros, jovens e membros da Universal uniram forças com os representantes dos principais partidos políticos do país para dizer “não à guerra e sim à manutenção da paz, o fortalecimento da unidade nacional e consolidação da democracia em Moçambique”.

mocambique8

Mais de 5 mil pessoas partiram do Cenáculo Maior – que está situado na avenida 24 de julho -, e percorreram as principais avenidas de Maputo até a Praça da Paz, onde a governadora da cidade e os representantes dos partidos políticos soltaram pombas brancas, simbolizando a paz.

mocambique4_0

Em seguida, deu-se início à leitura de mensagens de apelo à paz.

No discurso, a governadora de Maputo reiterou que a paz deve ser acarinhada e preservada, não com palavras, mas com ações concretas.

mocambique7_0

“Porque a guerra retrocede os resultados até agora alcançados na implantação da nossa democracia; inibe a participação dos cidadãos nos processos democráticos; fragiliza a nossa economia; retrai os investimentos estrangeiros; impede o direito à livre circulação de pessoas e bens; corrompe o tecido social através da propagação de luto e dor, entre outros males”, discursou a governadora.

mocambique5_0

José Guerra, presidente da Universal em Moçambique, afirmou que a paz deve caminhar nos corações e nas mentes, porque ela é um bem supremo que se coloca acima de qualquer interesse individual ou coletivo. “Nós devemos ultrapassar as nossas diferenças dialogando, porque a alternativa ao diálogo é o próprio diálogo, e a alternativa à paz é a própria paz”, disse.

mocambique6

Para o bispo Augusto Dias, responsável pelo trabalho evangelístico no país, a marcha tem o objetivo de chamar atenção de Deus e dos homens que estão envolvidos no processo das negociações, para que efetivamente haja a manutenção da paz em Moçambique.

“É o grito do povo, das viúvas, que já perderam os seus maridos durante a guerra. É o grito dos órfãos que já perderam os seus pais, e os políticos precisam ouvir isso”, enfatizou o bispo.

mocambique9

(*) Colaborou: Crescêncio Júnior

Deixe o seu comentário

Ou preencha o formulário abaixo.

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *