Noticia

Menino branco corta o cabelo igual ao do amigo negro para confundir a professora

Foto Debbie Weldon-AP(1).690x460Jax e Reddy são dois garotinhos de 5 anos que estudam juntos em Kentucky, nos Estados Unidos, e dão uma lição muito importante sobre amor, pureza e respeito à diversidade.

Um belo dia, Jax, que é branco, decidiu “pregar uma peça” em sua professora e pediu à mãe para cortar o cabelo dele igual ao de seu amigo Reddy, que é negro. Assim, com o mesmo corte de cabelo, ela se confundiria e não saberia diferenciá-los.

A mãe de Jax, Lydia Stith, compartilhou a história em uma rede social e a publicação já teve milhares de reações e compartilhamentos. “Ele disse que mal podia esperar para ir para a escola na segunda-feira com o seu novo cabelo, como o de Reddy, de forma que a professora não fosse conseguir distingui-los. Ele pensou que seria hilário confundir a professora com o mesmo corte de cabelo. Se isso não for prova de que ódio e preconceito são ensinados, eu não sei o que é”, escreveu.

A Wave-TV acompanhou os meninos até a barbearia, onde Reddy disse: “Jax sou eu, e eu sou Jax.”

A pureza e simplicidade de uma criança

Para o menininho, o corte de cabelo era a única diferença entre os dois. Essa é mais uma prova de que o preconceito não nasce com o ser humano, mas é ensinado por adultos que alimentam esse sentimento e ideias negativas. Não podemos permitir que a cor da pele dite os relacionamentos ou a opinião sobre uma pessoa. Temos de ter a mente pura como a desses dois amigos, para assim ter uma boa convivência com as pessoas ao redor e agradar a Deus:

“Em verdade vos digo que, se não vos converterdes e não vos fizerdes como meninos, de modo algum entrareis no Reino dos Céus. Portanto, aquele que se tornar humilde como este menino, esse é o maior no Reino dos Céus.” Mateus 18.3,4

Se você deseja aprender como se tornar puro como uma criança, compareça às reuniões realizadas na Universal às quartas-feiras. Clique aqui para encontrar um CdA mais perto de si!

Compartilhe essa história com os seus amigos e familiares. E, se for possível, reflitam juntos sobre isso.

Fonte: Universal.org

Deixe o seu comentário

Ou preencha o formulário abaixo.

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *