Anjos aquecem a noite

IMG_2249Todas as terças-feiras, voluntários promovem ação social para os moradores de rua

Já alguma vez refletiu sobre o que levará alguém a optar por viver nas ruas, sem um teto ou endereço fixo? A Cruz Vermelha Portuguesa defende que é necessário distinguir dois grandes grupos de sem-abrigo e adotar medidas diferenciadas: os que, devido a problemas de alcoolismo, toxicodependência ou patologias mentais, caíram na rua e habituaram-se a viver desse modo, e os que foram conduzidos à rua na sequência de situações graves de desemprego que os levaram a perder a habitação.

Em Portugal, pelo menos 4.420 pessoas viveram em jardins, estações de metro ou camionagem, paragens de autocarro, estacionamentos, passeios, viadutos, pontes e abrigos de emergência em 2013.

Esse é o número de pessoas acompanhadas no âmbito da Estratégia Nacional para a Integração das Pessoas em Situação de Sem-Abrigo, coordenada pelo Instituto de Segurança Social. Contudo, a realidade está longe de ser estática. Há sempre pessoas a sair e a entrar nas bases de dados.

É por isso que o Centro de Ajuda promove um trabalho de amparo e solidariedade aos sem-abrigo, por meio dos voluntários do grupo “Anjos da Noite”.

A distribuição de roupas, calçados, cobertores e alimentos já faz parte da rotina dos grupos de voluntários espalhados pelo país. O grupo “Anjos da Noite” existe há mais de 1 ano e é formado por obreiros e evangelistas que se preocupam em não deixar este trabalho parar.

Novo trabalho

Na última terça-feira, dia 6, o grupo Anjos da Noite iniciou um novo trabalho humano e social em Torres Vedras.
Os integrantes do grupo, formado pelos voluntários do Centro de Ajuda da cidade, coordenados pelo Pastor Pedro Rebelo, atenderam mais de uma dezena e meia de pessoas carenciadas, no bairro da Boavista. Distribuíram refeições, e todos os voluntários se dedicaram a conversar com os habitantes do bairro, orientaram, deram carinho e afeto, pouco comum nas redondezas, além de fazerem orações, com o objetivo de resgatar as almas que se encontram perdidas e excluídas da sociedade, para levá-las à Salvação.

Ajudar, sempre!

No dia 6 de outubro, próximo à estação da CP de Santa Apolónia, em Lisboa, o grupo composto por cerca de 40 voluntários dos Centros de Ajuda da Pontinha e Alverca, atendeu cerca de 80 pessoas, que receberam alimento – tanto para o físico, quanto para a alma – e agasalhos. A satisfação dessas pessoas marginalizadas pela sociedade é notória, quando recebem uma sopa e uma palavra de ânimo.

Durante a noite, os voluntários realizaram ainda atendimentos para orientação espiritual. Enfim, trata-se de um trabalho que tem sido efetuado com muito empenho e amor ao próximo!

Deixe o seu comentário

Ou preencha o formulário abaixo.

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *