Aumento de comportamentos antissociais e do risco de exclusão entre os jovens

alcool-e-tabaco-jovensO número de jovens em casas de acolhimento tem aumentado em Portugal, e os seus comportamentos são mais complexos e antissociais.

Mais de 73 mil crianças e jovens em risco foram acompanhados em 2015. De acordo com o relatório, divulgado pelo Ministério da Segurança Social, sobre o trabalho das comissões de proteção em todo o país, há um aumento de casos de jovens com comportamentos antissociais.

Este comportamento pode ser visto como, um padrão de comportamentos verbais ou físicos prejudiciais para outras pessoas, incluindo comportamentos que violem gravemente as expetativas sociais de um ambiente particular.

Comportamentos ligados a indisciplina, situações de bullying, consumo de estupefacientes e consumo de bebidas alcoólicas.

Cada vez mais, estes jovens são acolhidos por problemas de comportamento. Os dados oficiais indicam que 48 por cento dos mais de 11 mil casos de 2015 dizem respeito a esta problemática.

Esta situação é tida pelo Governo como um desafio, que exige uma revisão do regime de funcionamento das casas de acolhimento.

Uma nova realidade

jovem-NEETPara além do número de jovens com comportamentos antissociais estar a aumentar, o país depara-se também com uma nova realidade de jovens, os jovens NEET, ou seja, aqueles que não trabalham, não estudam, nem estão em formação.

Estes, segundo o relatório do Eurofound, deveriam ser um dos focos das políticas europeias, de forma a resolver a situação e reduzir o risco de exclusão social, que tem vindo a aumentar.

“Pelo menos um terço dos NEET estão em risco de exclusão social”, refere o organismo europeu.

Apesar do relatório se basear em dados de 2013, o principal objetivo é conhecer com maior detalhe as características destes jovens e atribuir as políticas e iniciativas mais adequadas.

No relatório são identificados três grupos de países, diferenciando assim as populações de jovens, de país para país.

O primeiro grupo é constituído pelos países nórdicos e ocidentais, que se caracterizam por uma taxa reduzida de NEET, o segundo enquadra os países do mediterrâneo e a Irlanda, onde o número de NEET é elevado, Portugal inclui-se com uma taxa de 12,3 por cento de NEET, inferior à media da União Europeia de 12,5 por cento.

Em terceiro, temos os países de Leste, onde a taxa é muito variável.

Com informações de: Folha de Portugal

Deixe o seu comentário

Ou preencha o formulário abaixo.

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *