Bispo Júlio Freitas ministra reunião especial em Almada

DSC_6287Por que é que muitas pessoas creem em Deus mas não O conhecem?

Investigar o quanto as pessoas dão importância a Deus parece ser algo de destaque nos nossos dias tão cheios de problemas. Uma pesquisa recente, realizada pela organização Pew Research Center, de Washington, nos Estados Unidos, perguntou a pessoas de 40 países se acreditar em Deus era essencial para ser uma pessoa boa e moral.

No Brasil, 86% dos entrevistados responderam que sim. O número foi bem mais alto do que em outras nações latino-americanas, como Argentina (47%) e Chile (46%). Na Espanha, por exemplo, apenas 19% da população pensa que acreditar em Deus é essencial para ser uma boa pessoa. Já em Gana e Indonésia, esse número chega a 99%.

De que adianta?

Pelos resultados, é possível ver que muitos acreditam em Deus. Porém, uma questão surge: De que adianta crer em Deus e não assumir a sua crença de forma clara, objetiva e incisiva diante do mundo?

Este foi o assunto abordado no passado dia 07 de fevereiro, às 9h30, pelo Bispo Júlio Freitas, responsável pelo Trabalho Evangelístico do Centro de Ajuda na Europa, que realizou uma reunião especial no CdA de Almada.

De acordo com o Bispo, crer em Deus significa crer na Sua Palavra: “E crer na Palavra significa crer no Seu Autor. Quem diz crer em Deus, mas não pratica a Sua Palavra, está a enganar-se a si mesmo. As igrejas cristãs estão cheias de pessoas assim. São pessoas dissimuladas, hipócritas, mentirosas, egoístas… Dizer que crê em Deus é uma coisa, conhecê-Lo é algo completamente diferente.”

Quem é de Deus não se deixa influenciar, quem é de Deus influencia. “Deus ensina-nos a não tolerar nada que comprometa a nossa Fé, a nossa Salvação, a nossa espiritualidade. Nada que comprometa a nossa obediência à Sua Palavra devemos tolerar. E você não sendo tolerante ao que compromete a sua Fé, vai desagradar primeiro a você, à sua natureza humana, e segundo aos outros”, ensinou o Bispo.

Qual é o seu Deus?

Deus é aquele que é adorado ou aquilo que é adorado, pode ser um bem (a casa, o carro), seu diploma, o seu status… enfim, estamos rodeados de deuses. “Mas nós não temos o direito de ter senão Um, e Este o Vivo Deus. Você deve amar, considerar e cuidar da sua família, dos bens que Deus lhe confiou mas nunca, jamais adorá-los, reverenciá-los, amá-los ao extremo de tê-los acima de Deus. Acima de Deus não pode, não deve estar ninguém, para o nosso próprio bem-estar, para a nossa própria Salvação, para que você possa desfrutar de tudo e não comprometa nada”, concluiu o Bispo Júlio Freitas.

Deus sabe que tudo e todos são falhos. Quem é perfeito? O que existe de perfeição no mundo? Nada! Por isso, Deus quer que as pessoas O adorem, porque Ele é perfeito e em nada as dececionará. A verdade é que nem sempre Ele dirá sim, mas o Seu não é melhor do que mil sim’s.

Deixe o seu comentário

Ou preencha o formulário abaixo.

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

1 comentário

andressa Responder 8 Fevereiro, 2016 às 22:17

Muito forte, Bispo. Temos que lembrar disso todos os dias de nossas vidas. Muito obrigada.