“Vamos para o Líbano com o objetivo de salvar vidas”

Pr_FabricioO Centro de Ajuda tem desenvolvido um trabalho evangelístico e de cariz social notável um pouco por todo o mundo

Folha de Portugal (F.P.): Como é que chegou ao Centro de Ajuda?
Pr. Fabrício (Pr. F.): Quando cheguei tinha muitos problemas familiares que deram origem a uma depressão. O meu pai era traficante de droga e desde criança assistia à polícia a entrar na minha casa. Cresci nesse meio e isso fez de mim uma criança revoltada.
Com o tempo acabei por ir pelo mesmo caminho. Fui viciado em tabaco, álcool e drogas até aos 18 anos e, por causa disso, a minha vida transformou-se num inferno.
O meu irmão tinha o sonho de estudar nos Estados Unidos e acabámos por ir viver para lá. O meu vício com drogas piorou e tive, inclusivamente, duas overdoses.
A minha mãe sofria muito porque via toda aquela situação e não sabia o que fazer. Foi nesta situação que um amigo me convidou para ir ao Centro de Ajuda.

F.P.: Como foi o seu processo de libertação de tudo isso?
Pr. F.: Eu tinha batido no fundo do poço e, por isso, queria muito uma saída. Já tinha tentado algumas vezes mas o vício era muito forte. Deixava durante um mês ou dois, mas depois as recaídas eram muito piores e foi quando tive as overdoses.
Já tinha ido a outras igrejas mas não existia um trabalho de libertação, o que me levava a desistir. Quando cheguei ao Centro de Ajuda e vi aquele trabalho de libertação, entreguei-me totalmente porque vi que ali ia ser ajudado.
Quando vi que me consegui transformar numa outra pessoa, começou a nascer em mim o desejo de também eu, ajudar outras pessoas. Fui obreiro e tornei-me pastor ainda nos Estados Unidos.

F.P.: Como é que tem sido o seu percurso na obra?
Pr. F.: Estive nos Estados Unidos, onde iniciei em Atlanta e em Nova Iorque, voltando uma vez mais a Atlanta, e depois fui para Espanha, onde fiquei oito anos até vir para Portugal.

F.P.: E agora, como encara este desafio de ir para o Líbano?
Pr. F.: É-nos ensinado no Centro de Ajuda acerca dos desafios e esta ida para o Líbano é isso mesmo, um desafio que será certamente muito bom. Vamos conseguir mostrar o Deus em que nós cremos e que temos pregado e ensinado às pessoas.
A minha bisavó é libanesa e há uma comunidade grande de brasileiros no país, pelo que vamos tentar começar por esse grupo de pessoas e depois passar para os nativos daquele país.

F.P.: A situação de guerras e conflitos daquela região não o assusta?
Pr. F.: Mesmo sendo um país muito próximo da Síria, onde têm ocorrido vários conflitos e massacres, isso não me intimida, pelo contrário! É ali que estão as pessoas que estão a sofrer e que precisam de nós.
Se o Centro de Ajuda não tivesse saído do Brasil para os Estados Unidos, eu nunca teria tido a oportunidade de ter conhecido o seu trabalho, de ter transformado a minha vida e, inclusivamente, poderia estar morto agora… É este o espírito que levo para o Líbano, o da oportunidade de dar a conhecer a outras pessoas este nosso trabalho e salvar vidas.

Deixe o seu comentário

Ou preencha o formulário abaixo.

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

3 comentários

Rodrigo Silva Responder 10 Fevereiro, 2015 às 8:53

Estamos todos em espírito contigo Fabrício, e com certeza muitos que vivem no Líbano conhecerão essa Fé Viva neste Deus Vivo. Deus te abençoe mais e mais.

Marco Delgado Responder 10 Fevereiro, 2015 às 9:12

Pastor Fabrício que Deus abençoe o seu ministério, e que muitas almas sejam ganhas atravéz do senhor la no Líbano.

Denise Figueiredo Responder 14 Fevereiro, 2015 às 23:59

Pastor Fabrício que Deus abençoe o senhor e sua esposa nesse novo ide.E que seu ministério cresça cada dia mais com muitas almas ganhas, agora no Líbano. Manu manda um abraço e diz que ver o senhor lhe deu muita alegria. ( somos Denise e Manuel de Sevilha, ele fala sempre no senhor)